O dia 25 de novembro marca a maior tragédia no esporte baiano. Um episódio de dor e lágrimas que nem o tempo é capaz de apagar. Há exatos nove anos, em 2007, sete pessoas morreram após parte da arquibancada da Fonte Nova ceder. As vítimas eram torcedores do Bahia e comemoravam o acesso do clube à Série B do Campeonato Brasileiro. Em campo, o tricolor enfrentava o Vila Nova. Mais de 60 mil pessoas estavam no estádio.

Márcia Santos Cruz, Jadson Celestino Araújo Silva, Milena Vasquez Palmeira, Djalma Lima Santos, Anísio Marques Neto, Midiã Andrade Santos e Joselito Lima Júnior estavam no anel superior no antigo estádio e caíram de uma altura de mais de 20 metros por volta dos 35 minutos do segundo tempo. O jogo seguiu até o apito final, até porque a notícia do acidente só se espalhou após a partida.

Inaugurado em 1951, o antigo estádio Otávio Mangabeira era administrado pela Superintendência de Desportos do Estado da Bahia (Sudesb), órgão estatal na época chefiado pelo ex-jogador de futebol Raimundo Nonato Tavares, o Bobô. Ninguém foi responsabilizado pela tragédia. Interditado após o ocorrido, o estádio foi implodido no dia 29 de agosto de 2010. A nova arena, construída para atender as demandas da Copa do Mundo 2014, foi inaugurada oficialmente pela ex-presidente Dilma Rousseff no dia 5 de abril de 2013.

Correio