Contra a reforma da Previdência e o corte orçamentário nas universidades federais, entidades ligadas ao setor da Educação promoverão uma paralisação nacional na próxima quarta-feira (15). Em Salvador, os manifestantes se concentrarão a partir das 9h, na praça do Campo Grande, seguindo em caminhada pela Avenida Sete de Setembro até a Praça Castro Alves, no Centro.

Secretário sindical da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e coordenador-geral da APLB-Sindicato, Rui Oliveira garante que a mobilização será realizada “em todo Brasil, do Opiapoque ao Chui”.

“A Educação no Brasil vai parar, porque muitos ataques estão ocorrendo. Teremos a greve geral na Educação durante 24 horas, contra a reforma da Previdência e contra o corte de verbas às instituições de nível superior públicas”, justificou ao BNews. Segundo Rui, além da capital, representantes de diversas categorias ligadas à Educação também vão aderir à paralisação em cidades do interior da Bahia.

Além do corte de verbas, entidades como APLB e ASSUFBA ainda se posicionam contra o que classificam como patrulhamento dos professores e a extinção das disciplinas de filosofia e sociologia, medidas impostas pelo Governo Federal.

Por: Vinícius Ribeiro com imagem do arquivo BNews