Ao menos três pessoas morreram na Zona Sul de São Paulo durante a chuva que atingiu a capital paulista na sexta-feira (24). A informação é das assessorias de imprensa da Polícia Militar (PM) e do Corpo de Bombeiros. Uma quarta morte foi registrada, mas não há confirmação se tem relação com a tempestade.

Para a PM e Bombeiros, as três mortes que ocorreram em Sacomã, durante a tarde e início da noite, podem ter relação com a chuva. Entre as vítimas fatais estão uma idosa, uma mulher e um motociclista. Os casos seriam registrados em delegacias da região. Imagens feitas pela TV Globo mostram carros sendo levados pela correnteza e ruas alagadas.

Uma idosa morreu afogada por volta das 19h50 após sua casa ser inundada de água perto da Rua Nossa Senhora das Mercês. Honorina Carlos de Souza tinha 84 anos. A residência dela fica ao lado de um córrego. O caso seria registrado no 95º Distrito Policial (DP), Cohab-Heliópolis, segundo informou a PM.

Próximo a mesma rua, uma mulher morreu ao ser atingida pelo muro de um terreno baldio que desabou durante a chuva, informou o Bombeiro. Luciana Severina Correia chegou a ficar prensada entre o muro e um carro que estava estacionado, segundo informou a assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública (SSP). O caso foi registrado no 26º DP, Sacomã, como morte suspeita a apurar.

Na Avenida Tancredo Neves, um motociclista morreu após ter sido carregado pela enxurrada. A moto dele foi parar num posto de combustíveis. O corpo de Renato Domingues Silveira Lima, de 33 anos, foi arrastado por cerca de 600 metros até se enroscar num ônibus, segundo a SSP. O caso seria levado ao 95º DP para ser investigado como morte suspeita a apurar.

Uma quarta morte foi registrada na Rua Vergueiro, na região do Cursino, também na Zona Sul. Uma mulher não identificada teve uma parada cardiorrespiratória. Não há confirmação se ela morreu por causa da chuva, segundo a PM e o Bombeiro. Esse caso seria registrado no 6º DP, Cambuci.

Temporal
O temporal de sexta-feira colocou a cidade em estado de atenção por mais de três horas e provocou mais de 30 pontos de alagamento. A chuva chegou a alagar estações de trem, transbordar córregos nas Zonas Sul e Leste, e fechar o aeroporto de Congonhas por cerca de 40 minutos.

Os trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) ficaram sem circular entre as estações São Caetano e Professor Celso Daniel, em Santo André, no ABC paulista. Às 19h50, a CPTM informava que a situação estava em processo de normalização.

Quase todos os bairros da Zona Leste entraram em estado de alerta por conta do transbordamento de rios e córregos da região. A Avenida Luís Ignácio de Anhaia Mello ficou completamente alagada.

Um banheiro químico caiu em cima de um carro e os bombeiros tentam resgatar os passageiros do veículo com um bote.

Também na Zona Leste, um fio da rede elétrica se soltou e caiu sobre uma árvore que pegou fogo em frente à Universidade Cidade de São Paulo, na Rua Cesário Galeno, no Tatuapé, na Zona Leste de São Paulo.

Por Do G1 São Paulo

COMPARTILHE
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •