Em sua primeira manifestação pública após ser denunciado pela terceira vez pela Procuradoria-Geral da República ( PGR), o presidente Michel Temer afirmou nesta quinta-feira (20) que deixa o mandato com mágoa pelos ataques morais que sofreu. De acordo com a coluna Poder, da Folha, Temer afirmou que os quase três anos em que ficou à frente da função foram “dificílimos” e defendeu a sua imagem pública, ressaltando que sempre teve uma vida “muito correta”.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou o presidente na quarta-feira (19) pelos crimes de corrupção ativa e passiva e por lavagem de dinheiro. Ela pediu que, a partir de janeiro, a acusação passe a tramitar perante a 10ª Vara Federal no Distrito Federal. “Quando vêm os ataques de natureza pessoal, aí realmente isso me caceteia, me chateia, me aborrece. É a única coisa que me aborrece”, afirmou o presidente.

Também na quinta-feira (20), o presidente cancelou agenda pública que faria pela manhã a Santa Catarina para inauguração de um centro de educação integral. Segundo a Painel, a programação é de que nesta sexta-feira (21) ele compareça a evento em São Paulo e, durante a viagem, se reúna com seu advogado, Antonio Claudio Mariz, para discutir a sua situação jurídica.

É a terceira vez que o presidente é denunciado. No ano passado, as duas primeiras foram barradas pela Câmara dos Deputados, mas podem ser reativadas a pedido do Ministério Público Federal quando ele deixar o cargo.​

Por: Redação BNews com imagem de reprodução