Há trinta anos, este bloco nascia. Um grupo de pessoas andava pelas ruas. Visitando as casas, na profunda euforia, entravam e mexiam nas panelas, comiam arroz, feijão e a farinha.

A comida era o que dizia, mas o fundamental era mesmo as companhias. Dilmarci, Olderico, Roque e Léo, e tantos outros que já não se encontra hoje em dia. O Beba Égua se transformou no Bloco da alegria.

Imagine o que era cultura, comunitária e não loucura. O Beba Égua inspirou movimentos feminista, surgindo o Tô Beba que prevaleceu com viés comunista. Um bloco só de mulher, foi sem dúvida uma grande conquista.

Com os anos foi aumentando a quantidade de foliões, sem perder o vínculo comunitário e as brincadeiras neste rincão do sertão. Quem entra não se molha, toma um banho na alma de emoção, passando pela casa do amigo Zezão.

E quando chega à oficina, relembra o baixa-grandense Barrão. Baixa Grande com seus encantos, o Beba Égua é parte de sua história. Bloco de cidadãos, que se confraternizam, como irmãos, em uma caminhada pequena e tão longa, ao sabor das mais belas canções.

Ao som da orquestra, e da voz de Wilsinho, de Jair e também o jovem Washitinho. Oh Baixa Grade, traz em suas ruas, contagiante alegria. Do velho ao novo, todos se entre olham, brincam e enamoram. Os passos de dança do experiente Muliquinho, dar o compasso da festa, nos atos simples deste dia, demonstra que a vida é harmonia, e que o beba Égua, é paz amor e alegria.

Neste palco de dança, todos tem espaço, de igualdade, sem cordas e sem maldade, brinca o pobre, brinca o rico, o branco e o negro. Os políticos adversários se encontram e se beijam de verdade.

O Beba Égua é democrático e o seu nome alegórico, traduz que é possível brincar devendo exagerar nos beijos e abraços que cada folião tem para dar. O Beba Égua é expressão da cultura e alegria do povo baixa-grandense, que gosta da festa, e da sua micareta. Não devendo mudar, sob pena de sua tradição se acabar. Aos organizadores, os parabéns e a todos os foliões também. Que desceram na avenida, ouvindo os trompetes com seus sopros, único bloco do mundo, que mantem o Bom Gosto.

Por Bruno Pamponet com imagem do Facebook