Em reconhecimento ao importante trabalho realizado, a Câmara Municipal de Ipirá entregou, em sessão extraórdinaria nesta quinta-feira (19), uma Moção de Aplauso ao Capitão PM Igor Prazeres Santos, Comandante da 98ª Companhia Independente de Polícia Militar (98ªCIPM).

A homenagem foi proposta pelo vereador Laelson Neves (MDB), que entregou a Moção de Aplauso, junto com a Secretária Municipal de Educação, Edneuza Ribeiro, e o presidente do Conselho de Segurança de Ipirá (CONSEG), Djalma Ferreira, a placa de honra ao homenageado.

Com o plenário lotado, os edis enalteceram a figura do Capitão e sua família, dos integrantes da 98ª CIPM, e ainda enfatizaram a parceria da Polícia Militar com a Polícia Civil e também com a prefeitura de Ipirá. A honraria foi um reconhecimento da Câmara Municipal e uma merecida homenagem em agradecimento e respeito ao trabalho dedicado, o cuidado e as iniciativas que estão favorecendo cada vez mais para a redução dos índices de criminalidade no município com a parceria solidificada entre as forças de segurança e a Secretaria Municipal de Educação da prefeitura de Ipirá com a execução dos projetos Resgate ao Civismo, PM vai à Escola e Ronda Escolar, além da manutenção da interiorização da PM nos distritos e povoados de Ipirá.

A sessão contou com a participação de diversas autoridades políticas municipais, personalidades da sociedade ipiraense, como o presidente da Rádio Ipirá FM, o ex-deputado Almir Miranda.

Estiveram acompanhando às homenagens ao Capitão PM Igor Prazeres, policiais militares e civis, o Capitão PM Alisson Rodrigues, que esteve representando o Major PM Valter Araújo que devido a compromissos de ordem particular não pode se fazer presente na sessão de homenagem.

O Capitão Igor Prazeres atua com muito compromisso e responsabilidade para atender com excelência a comunidade de Ipirá e dos demais municípios que compõem a 98ª CIPM.O evento ainda contou a presença do Secretário de Infraestrutura, Celso Dantas, do pároco de Ipirá, Roquelino Lomes, e o público em geral que lotou o plenário.

Por Marcone Macêdo