Mattia Binotto, chefe da equipe Ferrari, demonstrou otimismo, nesta sexta-feira, em entrevista coletiva, juntamente com os pilotos Charles Leclerc e Carlos Sainz. Segundo o chefe da tradicional equipe italiana, as decepções e a péssima nona colocação no Mundial de Construtores de 2020 não se repetirão nesta temporada.

Entre os motivos que dão esperança ao dirigente italiano está a contratação do espanhol Carlos Sainz. “Antes de assinar com Sainz, vimos seu crescimento ao longo das últimas temporadas, vimos como ele cresceu e tínhamos certeza de que era um ótimo piloto, forte, com personalidade. Nós sabíamos que seria um bom parceiro do (o monegasco, Charles) Leclerc.”

Sainz terminou o último campeonato no volante da McLaren em sexto lugar, com 105 pontos, enquanto Leclerc foi o oitavo, com 98. “No final de 2020 muitas pessoas nos parabenizaram pela decisão de assinar com Sainz. Fico feliz pela nossa escolha, a última a temporada mostrou que Sainz está certo para a Ferrari.”

Binotto destacou a rapidez de adaptação de Sainz ao carro vermelho. “Três dias de testes são poucos, além disso, alternamos os dois pilotos. Sabemos que para Carlos é um desafio, mas a cada quilômetro o que ele fez é importante se adaptar. Eu tenho que dizer que Carlos foi muito bem, se adaptou muito bem. A velocidade dele é boa, precisamos de tempo e não esperamos 100% no início da temporada, mas acho que estará perto disso. Ele não é um piloto inexperiente, ele é um profissional e vai administrar bem a situação.”

Segundo Binotto, seus engenheiros e mecânicos trabalham com o objetivo de eliminar totalmente vantagem da Mercedes e de Lewis Hamilton até 2022. “A margem acumulada no ano passado é alta e não dá para recuperar em um ano. Nosso foco estará no desenvolvimento do carro 2022, é o objetivo principal, não gastaremos muito tempo em 2021. Em 2022, haverá muitas mudanças e a maior parte de nossos esforços estará no carro de 2022.”

COMPARTILHE
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •