Um espaço que já viveu momentos glamourosos, com um bate papo aconchegante, ao som de boa música regada a um drink e um saboroso tira gosto, sob os olhares encantadores nas obras de artes plásticas, couro e artesanato de palha, bordado, pintura e crochê, o nosso tradicional Mercado de Artes de Ipirá encontra-se mudo, deserto e adormecido em meio a escombros.

Passados exatamente seis meses de um incêndio que destruiu boa parte de suas instalações e o sonho me muita gente que dali tirava seu sustento e de repente todo esse sonho se tornou um pesadelo sem fim.

Para marcar o primeiro semestre do sinistro, os artesãos do Mercado de Artes, se reuniram na tarde deste domingo (30), na Praça José Leão dos Santos ao lado do Mercado de Artes, num protesto silencioso, mais que apesar da tarde deserta do domingo, o protesto dos artesãos não passou despercebido perante os olhares da comunidade ipiraense.

Se sua página no facebook, Roberio, um dos artesãos postou o seguinte comentário: “Está fazendo 5 meses que o Mercado de Artes se encontra nessa situação e o Poder público até o momento não tomou nenhuma providência. Nós comerciantes estamos esperando por uma solução do prefeito Marcelo Brandão, pois estamos passando por dificuldades financeiras para arcar com os nossos compromissos, como todos sabem era do Mercado de Artes que tirávamos nosso sustento”.

Segundo palavras do próprio prefeito Marcelo Brandão, já está sendo feito um projeto de restauração da Praça José Leão dos Santos e do novo Mercado de Artes. No entanto, o prefeito não informou qual a previsão de início das obras, bem como o que fazer com os artesãos que ali trabalhavam e perderam praticamente tuno no incêndio.

Caboronga Notícias