quarta-feira, julho 17, 2024

Curitiba é a capital mais igualitária do país, e Porto Velho, a mais desigual

(FOLHAPRESS) – Curitiba, com 1,73 milhão de habitantes, é a capital menos desigual no país. Considerando indicadores como educação, renda, pobreza, trabalho e ações climáticas, entre outros, a cidade consegue oferecer resultados acima da média de outras 25. Na outra ponta, Porto Velho (RO) tem os piores indicadores, com 23 deles abaixo da média de seus pares.

Já as três capitais mais populosas do país (fora Brasília, não considerada pela pesquisa) -São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza- estão posicionadas, respectivamente, no quinto, no 11º e no 20º lugar. As informações são do Mapa da Desigualdade entre as Capitais, divulgado pelo Instituto Cidades Sustentáveis nesta terça-feira (26).

A publicação reúne 40 indicadores de diferentes bases e levantamentos, como o Censo, as diferentes Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua e o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (Snis).

Agrupados de acordo com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (Organização das Nações Unidas). Os dados usados também são de diferentes anos, de acordo com a atualização mais recente entre eles durante a elaboração do estudo.

Ranking classifica capitais menos e mais desiguais no Brasil
Pontos* por capital, excluindo Brasília

Curitiba – 677
Florianópolis – 672
Belo Horizonte – 615
Palmas – 607
São Paulo – 594
Vitória – 590
Cuiabá – 583
Porto Alegre – 580
Goiânia – 578
Campo Grande – 549
Rio De Janeiro – 548
Natal – 516
Boa Vista – 498
Teresina – 473
Aracaju – 468
João Pessoa – 463
Salvador – 438
Macapá – 435
São Luís – 435
Fortaleza – 431
Maceió – 428
Rio Branco – 424
Manaus – 417
Belém – 393
Recife – 392
Porto Velho – 373

Cada capital é classificada de 1 a 26 em cada um dos 40 indicadores usadosFonte: Instituto Cidades SustentáveisO ranking mostra que mesmo Curitiba, a capital menos desigual do país, ainda precisa enfrentar desafios como a desnutrição infantil, indicador em que ocupa a 21ª posição, ou a parcela de famílias de baixa renda inscritas no Cadastro Único para programas sociais (24ª).

A cidade também está abaixo da média no ranking em indicadores como taxa de áreas florestadas e naturais, de violência contra a população LGBTQIA+ e de suicídio.

Para Jorge Abrahão, coordenador-geral do Instituto Cidades Sustentáveis e colunista da Folha, o mapa serve como uma provocação para as administrações. “Executivos e Legislativos estão muitas vezes voltados a emergências e urgências, e não conseguem olhar um panorama geral para ver o que ainda precisa ser enfrentado”, diz ele.

“Desnutrição infantil é uma questão de definir orçamento. Já a violência contra a população LGBTQIA+ tem um caráter cultural, exige campanhas.”

A violência relacionada à sexualidade também é um problema em São Paulo. A cidade mais populosa do país, com 11,4 milhões de habitantes tem a segunda taxa mais alta de violência contra a população LGBTQIA+, com 8,3 casos a cada 100 mil habitantes.

A capital paulista é a 25ª colocada em investimento público em infraestrutura por habitante, segundo dados de 2021 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) com R$ 13,18. Em relação à cobertura vacinal, está em 20º lugar.

Na última posição do ranking, Porto Velho (com 460 mil habitantes), tem os piores indicadores para feminicídio, população atendida com esgotamento sanitário, recuperação de resíduos sólidos e emissão de CO² per capita.

Mas a capital de Rondônia, por outro lado, está em 10º lugar na lista de PIB (Produto Interno Bruno) per capita, segundo dados de 2020 do IBGE. A capital que lidera no indicador é Vitória (ES), e a última colocada é Salvador (BA).

A cidade também é a melhor posicionada no ranking no quesito de taxa de áreas florestadas e naturais. Está na 13ª posição, mas ainda na primeira metade de lista, em relação à taxa de homicídios, segundo dados do DataSUS de 2021, sistema do Ministério da Saúde, com 36,07 casos por 100 mil habitantes, embora o valor ainda seja considerado alto.

A maior taxa foi registrada naquele ano em Macapá (AP), com 62,41 casos por 100 mil habitantes, e a menor, em São Paulo.

A responsabilidade por políticas de segurança pública está mais ligada às esferas estaduais, das quais fazem parte as polícias Civil e Militar, e à federal, que tem um papel de financiamento e integração. Mas as cidades precisam, segundo o instituto, avançar na cooperação.

“O conhecimento para enfrentar isso está dado, temos experiências positivas nas cidades brasileiras. Muitas vezes não é investimento elevado, mas direcionamento de política”, afirma Abrahão.

Um indicador que exige políticas integradas (saúde, educação, assistência social), por exemplo, é o de idade média ao morrer, segundo o coordenador do instituto. Ele cita que a diferença entre bairros de São Paulo chega a 20 anos.

O problema está ligado à falta de serviços, mas também à gravidez adolescência e à violência que atinge principalmente jovens negros, entre outras questões. “Costumamos dizer à prefeitura [de São Paulo] que a maior obra que se pode fazer é tentar melhorar esse indicador durante uma gestão.”

No país, segundo o mapa, os extremos estão em Belo Horizonte (MG) e Porto Alegre (RS), com 72 anos, e Boa Vista (RR), com 57, segundo o Sistema de Informação sobre Mortalidade, do DataSUS de 2022.

recentes