Os três senadores que representam a Bahia e se opõem ao governo Bolsonaro votam, na maioria das propostas, da mesma forma que o governo orientou. Os dados públicos foram analisados pelo BNews com base na ferramenta Perfil Parlamentar, fruto da parceria entre a Open Knowledge Brasil, a Dado Capital e o Laboratório Analytics, da Universidade Federal de Campina Grande.

De acordo com o levantamento, Angelo Coronel (PSD) é o mais simpático às orientações do governo, com registro de 93% das votações. Logo depois, aparece o líder do PSD na Casa, Otto Alencar, com 69% de acordo com o governo, e Jaques Wagner (PT) na terceira posição, com 67%.

A última votação analisada é a PEC 6/2019, a reforma da Previdência. O texto, promulgado pelo Congresso no dia 12 de novembro após aprovação na Câmara e Senado, não contou com o apoio de Otto e Wagner. Já Coronel destoou dos colegas e votou a favor da proposta,seguindo orientação do governo.

“Pelo Brasil”

Procurados pela reportagem para comentar os dados, os três senadores apresentaram justificativas semelhantes. Segundo eles, as votações foram feitas pensando no país, não no governo.

“Votei com minha consciência e no que eu acredito, voto favorável, independentemente se veio ou não do governo. Faço meu mandado sempre procurando estar ao lado do povo brasileiro e valorizando as famílias”, afirmou Angelo Coronel, por meio de nota da assessoria.

Jaques Wagner disse que seus votos são coerentes com sua trajetória e com o que sempre defendeu. “Os votos coincidentes entre senadores governistas e de oposição não significam alinhamento ao governo, até porque geralmente são projetos de autoria dos senadores, em que se constrói o consenso para votações.  Declara ainda que votou contra os projetos mais relevantes do Planalto, como a reforma da previdência e as tentativas de flexibilizar direitos trabalhistas, por exemplo”, justificou, também por meio da assessoria.

Já Otto Alencar respondeu a reportagem em conversa por telefone. Segundo o senador, ele é claramente oposição ao governo Bolsonaro.

“Nada que era de interesse do governo votei a favor. Votei contra a reforma da Previdência, contra Medida Provisória (MP) do pente fino [em benefícios do INSS], derrubei decreto das armas do governo. Tem matérias lá que são de interesse do Brasil. Não vou votar contra pautas que são enviadas pelo governo, mas não são interesses do governo”, se defendeu.

Por: Pedro Vilas Boas  com foto montagem BNews