Esta semana um blog do Yahoo Notícias afirmou que a cúpula do PSDB decidiu que o candidato à presidente em 2018 será João Doria e para o seu vice o prefeito de Salvador ACM Neto (DEM). Conforme o site, Geraldo Alckmin ainda não havia sido avisado do fato. O que fulminou o nome de Alckmin foi uma reportagem de O Globo da terça (21).

Escreveu O Globo: “o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) pedidos de abertura de inquérito contra mais de dez governadores em exercício, entre eles o de São Paulo, Geraldo Alckmin, do PSDB, que disputou a Presidência em 2006. O pedido sobre o tucano estaria relacionado a repasses que a Odebrecht fez para as campanhas dele ao governo de São Paulo, em 2010, e também em 2014. Segundo um dos delatores, pelo menos um dos pagamentos teve como intermediário Adhemar Ribeiro, cunhado do governador”.

O Movimento Brasil Livre foi quem lançou a campanha por Doria presidente e ACM Neto como vice, há dias Ronaldo Caiado fechou para disputar o governo de Goiás. Bolsonaro saiu do PSC, de fato, e deixou o pastor Everaldo nas nuvens. Bolsonaro é pré-candidato à Presidência da República na próxima disputa e apareceu em quarto lugar na última pesquisa Datafolha, de dezembro do ano passado, com 9% das intenções de voto.

As negociações com Bolsonaro estão sendo conduzidas pela cúpula nacional do PR, partido que ele já aceitou e que tem a quinta maior bancada da Câmara, com 39 deputados. O parlamentar fluminense conversou sobre o assunto com o ex-deputado Valdemar Costa Neto, um dos condenados no processo do mensalão e que exerce forte influência na legenda.

As informações são do Yahoo Notícias | FOTO: Montagem do JC |