Enderson Moreira elogia o Bahia e defende Moisés: “Ele tem que ser respeitado”

Na noite deste domingo (24), o Bahia venceu o Salgueiro por 3 a 0 e deu um passo rumo à classificação para a segunda fase da Copa do Nordeste, pois entrou no G-4 do Grupo B da competição. O técnico Enderson Moreira elogiou bastante a sua equipe na entrevista coletiva após a partida.

“Se for avaliar vários números, cada hora tem uma coisa diferente. O que não canso de falar é que nossa equipe tem criado muitas oportunidades. Confesso que hoje até menos do que contra o Sergipe. A gente foi efetivo. Primeiro tempo muito bom, qualificado. Gol no início já nos ajuda muito. Coisa que tira talvez um pouco da ansiedade do jogador, que fica mais tranquilo. Enaltecer trabalho de todos. Nós fizemos um jogo difícil na quinta, uma decisão também. Nossos jogos são decisivos. A gente tem que enaltecer o poder de competitividade da equipe, que sempre joga para vencer. Sempre busca, cria situações, é sempre bom vencer. Dentro de casa tem um gosto muito especial”, disse o treinador.

Outro ponto bastante importante foram as vaias de alguns torcedores para o lateral Moisés. Enderson fez questão de defender o atleta, pediu apoio do torcedor e o elogiou bastante.

“A primeira coisa é que ele é um jogador que é extremamente dedicado, se empenha muito. A gente vê que ele é um jogador que, às vezes, participa do jogo ofensivo, muito forte do jogo defensivo também, jogador que transita dos dois lados com muita energia, força, participa de gols, de tiradas de bola lá atrás. A gente confia muito. Claro que nem sempre o jogador vai tomar a decisão que nós de fora achamos que é a melhor. Eu estou na beira do campo, muitas vezes falo para dar um passe para frente, mas a gente tem que respeitar o jogador que está dentro do campo, decisão dele. Ele tem que ser respeitado porque ele está vivendo aquilo. De fora, temos uma ideia do que pode ser feito. Mas o jogador lá dentro é o cara que treina a semana toda, faz isso a vida toda. Se ele tomou uma decisão diferente do que torcida quer, do que o treinador quer, dirigente, a gente tem que respeitar essa tomada de decisão. Quando alguém cria algum tipo de vaia ou insatisfação numa decisão tomada assim, claro que isso pode mexer com o atleta. Acho que a gente tem que enaltecer o apoio que o torcedor deu depois desse momento. O torcedor ficou chateado naquele momento, mas também, depois, reconheceu que, às vezes, a gente tem que incentivar o atleta”, frisou.

Por: Galáticos Online com foto de Felipe Oliveira / ECBahia