O Projeto Adapta Sertão desenvolveu nos últimos 6 meses, uma ação em parceria com a ONG Amigos do Bem e a rede Globo, no município de Inajá, em uma comunidade chamada de Caldeirão, no estado de Pernambuco. A experiência será apresentada em duas partes no programa Caldeirão do Huck, neste sábado, 1º de abril e no dia 8 d desse mês.

A ação foi desenvolvida pelo engenheiro agrônomo Marcelo Bastos e o técnico em adaptação as mudanças climáticas, Florisvaldo Guimarães, junto com a equipe da Amigos do Bem, a qual realiza ações sociais voltadas para doações de alimentos para famílias carentes do Nordeste.

Eles implantaram um sistemas de cultivo de hortaliças e agrofloresta, adaptado a realidade local com base no modelo do Adapta Sertão o “MAIS Poli Cultivo”, com objetivo de gerar renda e produzir alimentos para as famílias da localidade. No local foi perfurado um poço artesiano e capacitadas as famílias para o cultivo.

Adapta Sertão

O Adapta Sertão é uma coalizão de organizações que atua no semiárido Brasileiro buscando viabilizar estratégias e tecnologias sociais para adaptação a mudança climática da agricultura familiar. Tem como foco de atuação inicial o interior da Bahia, especificamente, o Território Identidade Bacia Jacuípe e municípios vizinhos. A meta é beneficiar diretamente um mínimo de 800 famílias até 2018.

O Adapta Sertão promove o cooperativismo como forma de desenvolvimento local e aposta no empreendedorismo para fazer frente aos desafios. Sua estratégia começa pela estruturação das propriedades rurais a partir do Modulo Agroecológico Inteligente e Sustentável (MAIS), que foi cuidadosamente desenhado a partir de experimentação e observação prática visando permitir às famílias agricultoras continuar a produzir alimentos também durante as secas anuais ou no caso de uma estiagem prolongada.

O acesso ao crédito, o beneficiamento e processamento adequado dos produtos, o estímulo a comercialização são as outras vertentes trabalhadas no modelo proposto.
O Adapta Sertão coloca também a disposição da agricultura familiar os recursos da pesquisa científica e a articulação de políticas públicas de modo a aprimorar a alocação de recursos técnicos, financeiros e humanos.

Depois de muita pesquisa, experimentação de campo e visitas técnicas nas unidades demonstrativas de agricultores baianos com vários níveis de desenvolvimento e inovação, o Adapta Sertão desenvolveu o MAIS. O MAIS surge de uma reflexão profunda para incluir o novo cenário climático no planejamento da produção agrícola e pecuária da região semiárida. De fato, cada bioma brasileiro está sendo afetado por uma mudança, seja falta ou excesso de chuva, que precisa de tecnologias e estratégias inovadoras de adaptação. O MAIS nesta perspectiva é um sistema pioneiro, pois olha à mudança do clima como oportunidade para fortalecer o cooperativismo, a pecuária e a agricultura regional.

ASCOM Adapta Sertão
Jorge Henrique

COMPARTILHE
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •