Experimento fracassado liberou 12 milhões de mosquitos Aedes aegypti transgênicos em Jacobina

42

Um experimento fracassado feito pela empresa britânica Oxitec, liberou cerca de 12 milhões de mosquitos Aedes aegypti transgênicos machos na cidade de Jacobina, no Centro-Norte da Bahia, entre 2013 e 2015. Os lançamentos foram feitos nos bairros de Pedra Branca e Catuaba. As informações são da agência alemã Deutsche Welle. De acordo com o projeto, a ideia era conter populações do mosquito transmissor da dengue, febre amarela, zika e chikungunya. Mas, os insetos transgênicos conseguiram se reproduzir e repassaram para novas gerações genes modificados em laboratório.

A solicitação de parecer técnico referente à biossegurança para liberação comercial da linhagem OX513A de Aedes aegypti, geneticamente modificada para expressar um traço letal condicional e um gene marcador fluorescente com a finalidade de controle do Aedes aegypti, foi deferida pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), por meio da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), em 2013.

Segundo o parecer feito pela CTNBio, acessado pelo BNews, o experimento foi liberado mesmo ainda não existindo experiência com a liberação destes organismos. A intenção do Ministério da Saúde era reduzir a população de mosquitos em 90%. A mudança genética foi projetada para que a primeira geração de mosquitos não alcançasse a fase adulta, não podendo se reproduzir. Segundo a agência alemã, isso funcionou durante o teste de campo. Depois de 18 meses após o final do experimento, a população de mosquitos voltou a crescer alcançado o volume anterior ao teste.

Pesquisadores da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, estudaram as alterações genéticas dos mosquitos presentes na região entre 27 a 30 meses após a sua liberação. O resultado destas análises não foi o esperado. Eles concluíram que partes da mudança genética produzida em laboratório migraram inesperadamente para a população-alvo dos mosquitos locais.

Um estudo publicado, na terça-feira (10), na revista especializada Nature: Scientific Reports, aponta que nas várias amostras, entre 10% e 60% dos mosquitos apresentaram alterações correspondentes às dos transgênicos no genoma. Acredita-se que se o teste de campo tivesse ocorrido como inicialmente previsto pelos cientistas, a modificação genética não teria passado adiante para as populações locais porque os descendentes dos transgênicos liberados originalmente não seriam capazes de se reproduzir.

No entanto, já se sabia anteriormente a partir de experimentos de laboratório que uma pequena proporção, de cerca de três a quatro por cento dos descendentes de mosquitos OX513A poderia atingir a idade adulta. Mas, os cientistas presumiram que eles seriam fracos demais para se reproduzir.

Os autores do estudo relatam ainda que os mosquitos, tanto antes quanto após o experimento, continuaram igualmente potenciais transmissores das doenças em questão. A equipe de pesquisa em torno de Jeffrey Powell, em Yale, alertou também que a nova população de mosquitos, criada a partir da liberação dos insetos transgênicos, pode ser mais resistente do que a anterior.

O laboratório de pesquisas de Munique Testbiotech criticou a Oxitec por ter iniciado os testes de campo sem estudos adequados. “Os experimentos da empresa Oxitec levaram a uma situação em grande parte incontrolável”, disse o diretor do laboratório Christoph Then. O especialista ressaltou também que o incidente deve gerar consequências para o uso futuro da engenharia genética.

MP-BA
Procurado, o representante da Promotoria de Justiça Especializada em Meio Ambiente de Âmbito Regional, em Jacobina, o promotor de Justiça Pablo Almeida, explicou que o caso deveria ser acompanhado pelos órgãos federais, pois a liberação foi feita pela CTNBio. No entanto, ele ressaltou que o órgão analisa a legislação para ver de que forma poderia se dar a atuação estadual.

A reportagem tentou contato as assessorias do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e do Ministério da Saúde, mas até a publicação nenhum esclarecimento foi enviado.

Outro lado

À reportagem, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações informou que acompanha a situação e possui pessoal técnico destacado para monitorar e, se necessário, obter novos estudos e análises sobre o tema.

A CTNBio informou que o artigo está sendo avaliado pela presidência e vice-presidência que consultaram também outros pesquisadores independentes. A comissão destacou também que  uma avaliação inicial apontou que o artigo demonstrou a ocorrência de um mosquito híbrido, mas não foi comprovado que esse inseto é mais resistente às estratégias de controle e/ou capaz de causar qualquer tipo de dano às pessoas e meio ambiente.

Leia a íntegra:

A CTNBio informa que o artigo está sendo avaliado pela Presidência é Vice-Presidência da CTNBio, que consultaram também outros pesquisadores independentes. 

De acordo com uma avaliação inicial, o artigo demonstrou a ocorrência de um mosquito híbrido, mas não foi comprovado que esse inseto é mais resistente à estratégias de controle e/ou capaz de causar qualquer tipo de dano às pessoas e meio ambiente. 

Os dados não apontam inicialmente para a persistência do gene auto limitante da linhagem OX513A que produziu o mosquito híbrido no meio ambiente. A empresa tem monitorado as liberações no meio ambiente e está na Pauta da CTNBio inclusive Relatório Final do Monitoramento Pós-Liberação Comercial do Mosquito, Processo CTNBio n. 01200.002919/2013-77 que será examinado em caráter de urgência na próxima Reunião Ordinária da Comissão nos dias 2 e 3 de outubro. 

Contudo, a ocorrência do mosquito híbrido no meio ambiente ainda não foi discutida pela CTNBio, por se tratar de um fato científico novo para a Comissão. Portanto, a instância avaliará em sua Reunião Ordinária a necessidade de medidas de monitoramento e acompanhamento adicionais durante a realização das pesquisas, bem como quaisquer outras providências cabíveis. 

Cabe reiterar, por fim, que a CTNBio é o órgão competente para a avaliação dos potenciais impactos da tecnologia e que, em caso da verificação de possíveis riscos, possui atribuições para garantir que sejam tomadas ações eficazes no controle de possíveis impactos negativos.

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações está acompanhando o assunto e possui pessoal técnico destacado para monitorar e, se necessário, obter novos estudos e análises sobre o tema.

Por: Adelia Felix  com imagem de divulgação