domingo, junho 16, 2024

Falsos médicos compraram diplomas por até R$ 400 mil, diz TV

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – A Polícia Federal revelou que falsos médicos pagavam até R$ 400 mil por diplomas de faculdades de medicina. Detalhes da investigação foram divulgados neste domingo pelo Fantástico.

Pelo menos 65 registros foram obtidos junto ao Cremerj (Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro) com documentos falsos. Esquema criminoso falsificava os documentos e vendia para falsos médicos. O delegado da Polícia Federal Francisco Guarani explicou que “a investigação conseguiu apontar que de fato existia uma estrutura empresarial nessa venda de diplomas falsos e históricos escolares falsos.”

A enfermeira Cássia Santos de Lima Menezes admitiu em depoimento que chegou a dar plantões e que gastou R$ 400 mil com os documentos falsos. Ao Fantástico, o advogado disse que ela é inocente e já prestou esclarecimentos às autoridades.

Jonny Teixeira Carreiros afirmou à PF que pagou R$ 80 mil pelo diploma. Ele contou também que estudou medicina no Paraguai, mas não se formou. O homem foi preso em fevereiro deste ano, mas foi liberado nove dias depois. Os advogados dele disseram que ele foi vítima de um golpe.

A quadrilha usava papel de qualidade e conseguia reproduzir o logotipo de universidades brasileiras. Maioria dos registros fraudados eram da UNEB (Universidade do Estado da Bahia). Em nota, a universidade informou que “todos os documentos recebidos pelo Cremerj não foram emitidos ou assinados pela universidade e são ilegítimos”, revelou a reportagem.

A investigação mostrou que, com documentos falsos em mãos, os suspeitos se passavam por estudantes formados e conseguiam empregos, principalmente em prefeituras. Os criminosos também criaram um e-mail falso para enviar o diploma fraudulento quando os conselhos regionais de medicina solicitavam a documentação.

O que dizem as autoridades?

O Cremerj esclareceu que as fraudes foram descobertas quando uma funcionária desconfiou de documentos. Ela fez a denuncia e a Polícia Federal começou a investigação. “O órgão mudou o processo de checagem e anulou todos os 65 registros obtidos com documentação falsa”, conforme veiculado pelo Fantástico.

O Conselho Federal de Medicina destacou que deve criar novos protocolos para checar a documentação. José Hiran Gallo explicou que uma disponibilizou uma equipe para ir aos conselhos regionais investigar a fragilidade do sistema.

recentes