Batalhão de Choque da PM, centro do Rio de Janeiro. Mães, filhas, esposas e irmãs dos policiais montam acampamento em frente ao quartel desde as 5h desta sexta (10), reivindicando salários atrasados e o 13º que não foram pagos a seus homens. Ninguém sai do batalhão sem ser revistado por elas e o grupo promete manter posições até a vitória.

“Por conta desses atrasos nós estamos sem plano de saúde. Quem tem filho na escola está sem pagar a escola. Muitos já estão até passando necessidades, dependendo de favor de um e de outro”, desabafou uma das cerca de 20 mulheres presentes, em entrevista à Sputnik.

Sobre a situação caótica de segurança deflagrada nas ruas do Espírito Santo após uma mobilização semelhante dos familiares dos PMs do estado, as manifestantes cariocas, que se organizaram por meio de grupos de WhatsApp, disseram que os casos são diferentes e que não esperam que as cenas se repitam no Rio.

“Até porque a gente está reivindicando algo bem diferente. Eles [do Espírito Santo] querem aumento do salário. A gente não quer ganhar mais, a gente só quer que os nossos familiares recebam”, disse outra das mulheres.

“Se nada acontecer, quando chegar próximo ao Carnaval nós vamos estar mais organizadas e vamos voltar novamente”, prometeu uma das representantes do grupo. “Nós vamos causar o caos”, completou a manifestante que falara sobre a situação no Espírito Santo.

“Muitos nem sabem que nós estamos presentes”, disse outra manifestante à Sputnik, quando perguntada sobre a opinião dos parentes fardados a respeito do movimento. “Eles têm muito medo do que pode acontecer com a gente”, completou outra das mulheres reunidas. “Medo de como a própria população vai reagir quando ficar sem a polícia, medo de policiais que não aderiram, que não estão a favor do movimento”.

No entanto, elas afirmam que “a maioria está a favor”. “Até porque a gente está fazendo algo que eles não podem fazer. E já que eles não podem parar, a gente para por eles”, acrescentou a segunda mulher.

“Policial não é homem de ferro. Ele tem família, ele não é mágico, ele tem que sustentar sua mesa. Ele tem que ter salário!”, gritava uma das esposas presentes.

Embaixo do sol forte, antes do meio-dia, uma jornalista da Rede Globo apareceu no local e tentou entrevistar as manifestantes, mas o grupo se recusou a falar, dizendo que a emissora é “tendenciosa” e “não apoia” o movimento.

O governador Luiz Fernando Pezão também foi alvo de reclamações por parte das mulheres reunidas. “A gente também quer o fim do Pezão, porque ele é o causador disso tudo”, disse uma delas.

A opinião foi compartilhada pelo cabo da PM Anderson Valentim.

“Esse governador não deveria estar no cargo. Acho que o governador não passa de um canalha, de um calhorda. Expor o policial, a família do policial, igual ao que ele está fazendo, isso é coisa de canalha”, disse o cabo à Sputnik.

Com informações da Sputnik Brasil.