Cerca de 300 mil pessoas moram na parte leste de Aleppo, dominada por rebeldes, que é onde o comboio da ONU. Quarenta caminhões, carregados de comida, estão simplesmente parados à espera de garantias de que podem seguir viagem sem riscos.

A saída das tropas da rodovia, que dá acesso a Aleppo, é um dos pré-requisitos exigidos pelas Nações Unidas. Se o caminho for liberado, a ajuda deve chegar à cidade ainda hoje. Livre acesso a ajuda humanitária é um dos pontos mais importantes do cessar-fogo, em vigor desde segunda-feira, que tem sido respeitado – apesar de alguns ataques esporádicos.

Ontem o Ministério da Defesa da Rússia disse que a trégua foi violada 45 vezes em 24 horas. Três pessoas morreram em locais onde o cessar-fogo se aplica e 23 civis perderam a vida num ataque contra o Estado Islâmico. O grupo jihadista não está incluído no acordo.

Rebeldes tentam, há cinco anos, tirar o presidente Bashar al-Assad do poder. A guerra deixou mais de 300 mil mortos e expulsou 11 milhões de pessoas sem casa.

Ana Carolina
Londres