segunda-feira, junho 24, 2024

Grupo terrorista mata ao menos 36 na República Democrática do Congo

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) – Militantes de um grupo radical muçulmano mataram dezenas de pessoas em um ataque no nordeste da República Democrática do Congo na noite de quarta-feira (8). A ação ocorreu nas vilas de Mukondi e Mausa, duas comunidades do território de Beni.

O ataque foi atribuído às Forças Aliadas Democráticas (ADF), grupo armado de origem ugandense, que conduz assaltos frequentes no leste do país.

Na manhã desta quinta-feira (9), representantes do Exército afirmaram que pelo menos 36 pessoas foram assassinadas e mencionaram feridos.

“A aldeia de Mukondi foi completamente queimada”, disseram.

Já Arsene Mumbere, líder da sociedade local, disse à agência de notícias AFP que o saldo provisório é de 38 mortos em Mukondi e oito na vila de Mausa, acrescentando que os agressores entraram nas aldeias “sem fazer barulho” e mataram a maioria das vítimas com “armas brancas”. Crianças, mulheres e idosos estão entre as vítimas.

Anthony Mualushayi, porta-voz do Exército congolês, disse que o ataque da ADF foi feito em retaliação a uma operação oficial que deteve mais de 22 militantes do grupo e fechou estabelecimentos que supostamente forneciam produtos químicos para a fabricação de bombas.

A ADF foi criada na Uganda e se expandiu para o leste do Congo durante a década de 1990. Apenas em 2020, segundo a ONU, a organização teria sido responsável pela morte de mais de 850 pessoas.

O governo do Congo chegou a declarar estado de sítio nas províncias de Kivu e na vizinha Iuri em 2021, mas as atividades rebeldes não demonstraram sinais de diminuir.

O grupo, classificado como uma organização terrorista pelos Estados Unidos, já declarou fidelidade ao Estado Islâmico. A ONU, entretanto, afirma que há poucas evidências de conexões da ADF com outras redes de militantes da facção.

Dados da ONU indicam que conflitos armados desalojaram 5,7 milhões de congoleses internamente e levaram quase um quarto da população de 96 milhões a enfrentar níveis severos de fome.

recentes