O prefeito Marcelo Brandão, quando radialista, costumava criticar as gestões anteriores. Suas críticas estendiam-se a todas as áreas das administrações opositoras, não escapando as críticas ferrenhas dirigidas aos Festejos Juninos promovidos pelos gestores passados.

Com tantas críticas, o radialista conseguiu eleger-se prefeito, mas criou fantasiosas expectativas surrealistas em todas as áreas da administração municipal.

Além de fantasiosas expectativas, o prefeito criticou muito e não corresponde as mínimas promessas feitas, tanto nos seus programas de rádio, quanto as do seu Programa de Governo.

Mas o povo não esqueceu, sendo que muitos ipiraenses guardam trechos destas promessas em mídias e também na memória pessoal.

Veja abaixo uma gravação, divulgada pelos ipiraense nas redes sociais, em que os internautas lembram as críticas feitas por Marcelo Brandão, aos festejos juninos de Ipirá, quando o hoje prefeito, era radialista do então famoso ‘Conexão Chapada’, realizado todos os dias da semana em Ipirá (de segunda a sexta-feira).

Internautas criticam as instalações da Casa da Cultura Herculano da Viola

Hoje, para a grande maioria dos ipiraenses, e de acordo com o constatado nas mídias noticiosas e nas redes socias do município, a administração atual é bastante criticada e o prefeito conta com baixas percentagens de aprovação de seu governo.

A inauguração da ‘Casa da Cultura Herculano da Viola’, que aconteceu nesta sexta-feira (10), está sendo bastante criticada nas redes sociais.

Alguns nomes encontram-se com letras pequenas em comparação com outros nomes bastante destacados

As maiores críticas dirigem-se a um mural exposto na inauguração, como peça permanente da citada Casa, onde o mural denominado “Sementes especiais desse torrão …”, recebeu muitas críticas nas redes sociais.

Dentre as principais críticas feitas ao mural destaca-se a avaliação negativa ao tamanho dos nomes citados no mural, onde alguns nomes encontram-se com letras pequenas em comparação com outros nomes bastante destacados (alguns são tão pequenos que torna-se difícil fazer a leitura).

Alguns internautas questionam o porquê destas diferenças na grafia dos nomes. Será que os nomes em destaque possuem maior mérito? Outros acham que no mural possuem nomes sem sentido algum, apenas porque são nomes consagrados em apoio ao grupo ‘Jacu’, enquanto nomes de pessoas que contribuíram em muito para a divulgação e o crescimento de Ipirá, em diversas áreas (educação, defesa do meio ambiente, comunicações, etc), foram totalmente negligenciados (esquecidos). Um comunicador disse: ‘É um sacrilégio deixar de fora nomes come o da professora Julita (in memoriam ), o do comunicador Rogerão, Lúcio fogueteiro … etc’.

Outro internauta disse: “Desculpe os organizadores do evento, mas os painéis com fotos estão parecendo camas típicas do Nordeste, colocadas em pé. Parece que aproveitaram as madeiras que sobraram do incêndio do Mercado de Artes. Os homenageados mereciam algo melhor. Poderia ser painéis feitos com vidro, certamente ficariam mais decentes”, disse o estudante, nas redes sociais (Whatsapp).

Dentre os comentários, cita-se críticas a inauguração da Casa da Cultura, e lembram que a Casa dos Estudantes de Ipirá (foto abaixo), uma instituição considerada de grande importância para o município, com quase meio século de existência (48 anos), com prédio próprio do município, em Salvador, foi abandonada pelo prefeito atual, encontrando-se fechada, desabando completamente, correndo o risco de ser invadida por moradores de rua. Uma obra fundamental que está sendo abandonada pelo gestor municipal, simplesmente correndo o risco de o município perder a preciosa aquisição conseguida e mantida pelas gestões passadas, com luta de gestores, familiares e jovens ipiraenses. A casa dos estudantes, está sendo ’empurrada com a barriga’, transferindo o problema para os futuros gestores que vierem depois da atual gestão.

Para alguns internautas é difícil, em um momento destes, não lembrar e comparar as duas Casas. “Nem mesmo o prefeito querendo tomar empréstimo bancário, para os futuros prefeitos de Ipirá pagarem, ele lembrou da Casa dos Estudantes de Ipirá. Lamentável, como uma casa, conquistada com tanta luta, que beneficia os famílias de menor poder aquisitivo, está sendo tão negligenciada”, argumentou o jovem, concluindo: “Eu, sendo homenageado, não iria querer a minha foto naquelas grades, nem o meu nome em tamanho minúsculo, junto a outros nomes grandes , naquele painel”, concluiu o jovem.

Por Orlando Santiago Mascarenhas
www.ipiranegocios.com.br