sexta-feira, maio 24, 2024

Ipirá; completa 169 anos de história

O município de Ipirá, distante 204km de Salvador, localizado no Território da Bacia do Jacuípe, completa neste sábado (20), 169 anos de emancipação política, e para marcar a importante data, o portal Caboronga Notícias trouxe para o leitor, principalmente os filhos desta terra amada, um resumo de sua história.

Acompanhe abaixo:

Ipirá desmembrou-se de Feira de Santana e foi automaticamente criada pela resolução provincial de n.º 520 em 20 de abril de 1855 com o topônimo de Santana do Camisão e pelo decreto7521 de 20 de julho de 1931, passou a chamar-se IPIRÁ, nome de origem indígena

Cujo significado é IPI – Rio e RÁ = Peixe, nome do rio que banha parte das nossas terras chamado Rio do Peixe.

Santana do Camisão, mais conhecido como “Camisão”, ainda hoje, divaga no terreno das especulações. Várias são as hipóteses que explicam a origem do topônimo “Camisão” e dentre elas, por apresentarem resquícios de logicidade temos:

O Homem do Camisão

Conta-se que teria existido um velho desterrado português que era proprietário de um rancho e que por sua hospitalidade para com os que aqui passavam e por vestir longas camisolas de algodão ficou conhecido por todos como O Homem do Camisão, originando-se assim o nome “Camisão”.

Coronel Camisão

Outra hipótese é de que o nome “Camisão” originou-se do coronel Manoel Maria Camisão, entradista português homenageado pelo Governador Geral do Brasil ao dar seu nome ao aglomerado de ranchos aqui existentes. O mesmo é descendente do herói da retirada de Laguna durante a Guerra do Paraguai, Tenente Coronel Carlos de Morais Camisão.
Dessa como outra hipótese, não existe provas documentais.

Ipirá Localiza-se na Micro-Região homogênea e administrativa de Feira de Santana e do ponto de vista econômico na Região do Paraguaçu. Situa-se a 202 km da capital do Estado. com altitude em torno de 330m.

Limitação:

NORTE – Pintadas e Pé de Serra.
SUL / SUDESTE – Rafael Jambeiro
LESTE – Riachão do Jacuípe, Serra Preta e Ipecaetá.
OESTE – Itaberaba, Rui Barbosa, Macajuba e Baixa Grande.

Sua população segundo o último censo é de aproximadamente 56.876 habitantes. Sua densidade demográfica é de aproximadamente 18,32 habitantes por km².
A área territorial do nosso município corresponde a 3.023,7 km².

CLIMA – Semi-árido (salubre e ameno)
TEMPERATURA – Varia de 18º a 36º, tendo uma média de 26º
PERÍODO CHUVOSO – Fevereiro à abril, tendo entretanto, duas estações definidas: inverno e verão.
PLUVIOSIDADE ANUAL – Média de 754mm, mínima 157mm e máxima 1560mm. Sua área esta inserida no polígono das secas, por isso, sujeito a longos períodos de estiagem.
TIPO DE SOLO – Latossolo vermelho amarelo distrófico e vertisolo.
VEGETAÇÃO – Caatinga, mata, capoeira.
RELEVO – É formado por planaltos e pequenas planícies: Serra das Vacas, Serra da Caboronga, Monte Alto.
HIDROGRAFIA – Ipirá pertence à bacia hidrográfica do Paraguaçu, tendo como RIOS e RIACHOS principais:
– Riacho do Sossego
– Riacho do Jacaré
– Riacho da Gameleira
– Rio da Passaginha
– Rio Paulista
– Rio Capivari
– Rio do Peixe
– Rio Cairu

A economia do Município de Ipirá tem como base a agricultura, pecuária, artesanato de couro, comércio atacadista e varejista, as indústrias e empresas que se encontram em nossa cidade e outros serviços de um modo geral. Há, também, as profissões liberais que contribuem para a economia do município.

Comércio – O comércio de Ipirá é bem desenvolvido. Possui diversos estabelecimentos comerciais que vendem em atacado e varejo; temos supermercados, armarinhos, sapatarias, farmácias, boutiques, salões de beleza, muitos bares, lanchonetes, padarias, lojas automotivas, lojas de móveis e eletrodomésticos, gráficas, etc.

Agricultura – Não é muito desenvolvida, apesar do solo fértil, em virtude das prolongadas estiagens. Os Produtos agrícolas que são cultivados no nosso município são: verduras, feijão, milho, mandioca e algumas frutas.

Industria – Hoje, nossa cidade conta com a implantação de várias novas indústrias como a uma de Mineração de fosfato e calcário, outra que está extraindo farinha de rocha, essas na região do Distrito do Bonfim, que gera muitos empregos para a comunidade local, uma fábrica de ração e uma Pocilga com geração de emprego inicial na média de oitenta pessoas e a Motopel; além das Micro Empresas de artesanato de couro já existentes, na região do Malhador, Umburana, Rio do Peixe e também na zona urbana, responsável por grande parte da geração de empregos para jovens e adultos. Na região do Pião, existem outros potenciais minerais, tais como a exploração de pedras, britadeiras e extração de paralelos e pedras para alvenaria. Existem outras fábricas em nosso município que são de: vela, cocada, tubaína, iogurte, queijo, sorvete, picolé, sabão, etc.
Em nosso município há atividades de artesanato também como: bordados, panelas de barro, chapéus e esteiras de palha etc.

Pecuária – É uma das principais atividades econômicas do município, destacando-se criatório de caprinos (cabra), ovinos (ovelha), suínos (porco) e bovinos (boi). O Município situa-se entre os primeiros do Estado na criação de gado de pequeno porte e também na produção de leite.

Zona Rural: Aqui em Ipirá, existem muitos povoados, nesses povoados existem Igrejas, Praças e Prédios Escolares.

Distritos:
1- Bonfim
2- Malhador

Povoados:
Alto Alegre
Amparo
Cachoeirinha
Caixa D’água
Conceição
Coração de Maria
Ipirazinho
Jacaré
João Velho
Nova Brasília
Pau-Ferro
Rio do Peixe
Rosário
Santa Rita
São Roque
Tamanduá
Umburanas
Vida Nova.

Monte Alto, onde possui uma capela que é muito frequentada durante a Semana Santa. Possui também o Monte Belo. Existe também na Serra, próxima da cidade uma nascente de excelente água potável que abasteceu muito tempo a população da sede Ipiraense e é conhecidíssima a sua água da Caboronga, cuja palavra significa “Serra Verde”.

Caboronga é uma região que se destaca pelas suas belezas naturais; fica próxima à sede do nosso município, na parte Leste. Essa região é formada por serras altas, banhadas por muitos riachos e lagoas perenes. Serras: Serra da Caboronga, Serra do Monte alto, Serra da Moenda e Serra da Estiva. Riachos: da Caboronga, com sua fonte de água cristalina, tendo seu afluente o Riacho da Gameleira; Riacho da Cana-Brava, Riacho do Ernesto; Riacho do Jenipapo e Riacho Salgado. Essa região foi habitada pelos nativos da tribo Guarani, povo de uma cultura pouco desenvolvida, que não sabemos quase nada de sua história.

A História do Artesanato de Couro (Cortume de Couro)

O distrito do Malhador é banhado pelo Rio do Peixe (rio que deu origem ao nome de IPIRÁ – IPI= Rio – RÁ= Peixe) e que, tempos atrás e ainda hoje, suas águas serviam e ainda servem para lavar o couro que será curtido e utilizado no artesanato. Naquela época, o couro era curtido em um lajedo, existente até hoje. Eles curtiam o couro em um curtume de gorda com angico, gerema e fava e usavam uma maceneta de madeira para bater estas cascas. O curtume de cinza, eles usavam a caatinta de porco e amargoso. Hoje, os artesãos compram a casca e moem numa máquina, em seguida colocam a sola e a casca moída no curtume e a mesma sola permanece por três semanas. Após este prazo, passam dendê, tira a raspa e está pronta para o fabrico dos artefatos.

Delorme Martins da Silva

A maior liderança da história de Ipirá, iniciou o envolvimento político na militância do Partido Comunista Brasileiro (PCB), quando ainda era estudante de medicina, em Salvador. Mas a formação humanista, o contato com o povo foi-se projetando bem antes, acompanhando seu pai, Francisco Martins da Silva, também médico, pelos caminhos e veredas, em longas travessias, a levar o atendimento ao povo da caatinga, abrangendo uma grande região envolvendo Baixa Grande, Ipirá, Macajuba, etc.

Raimundo Sodré, Foi, o Samba -Chula, nos últimos tempos, descoberto em toda a sua beleza. Batido na palma de mão, ele ecoa poderoso em todos os recantos dessa nova velha Bahia. Um dos autênticos mestres dessa música apaixonante é Raimundo Sodré, um artista que trás a chula no sangue. Nascido no interior da Bahia, em 23 de julho de 1947, é filho de Anacleto Pereira Sodré, maquinista da Leste Brasileira, e de Laura Rosa Brandão, artesã de renda de bilro e crochê. Seu pai, da cidade de Santo Amaro da Purificação, sua mãe, de Mundo Novo. Quando ficou grávida, atendendo ao convite de sua irmã mais velha, Isaura, sua mãe foi tê-lo em Ipirá, onde ela residia no distrito de Camisão, légua e meia do município. Tia Isaura foi uma pessoa muito especial na formação do menino. Mãe de santo, ela comandava um terreiro de Candomblé da nação Angola.

Cícero Roberto Cardoso Cintra, natural de Salvador, nascido no dia 19 de abril de 1948, filho de Orlindo Oliveira Cintra, ipiraense, e Luzia Maria Cardoso Cintra, de Castro Alves, Roberto Cintra sempre teve ligação intensa com Ipirá, onde iniciou uma das mais fulgurantes carreiras políticas acompanhando o grupo liderado por Dr. Delorme Martins da Silva. Formado em Medicina, cirurgião competente, atuou em São Paulo até o ano de 1975, quando, a convite de Dr. Delorme veio para Ipirá para trabalhar na Clínica Santa Helena.

Relação de prefeitos;

1. Joaquim Marques Leão. 1947-1950
2. José Leão dos Santos. 1951-1954
3. Edson Pires de Cerqueira. 1955-1958
4. Elofilo Marques. 1959-1962
5. Delorme Martins da Silva. 1963-1966
6. José Leão dos Santos. 1967-1970
7. Jurandy Cunha Oliveira. 1971-1972
8. José Leão dos Santos. 1973-1976
9. Jurandy Cunha Oliveira. 1977-1982
10. Juracy Antônio Cunha de Oliveira 1º (03) a 31(12) de 1982
11. Cícero Roberto Cardoso Cintra. 1983-1988
12. Amenar Costas Santos. 1989-1992
13. Antonio João Colonezi Oliveira. 1993-1996
14. Luiz Carlos Santos Martins. 1997-2000
15. Luiz Carlos Santos Martins. 2001-2004
16. Antonio Diomário Gomes de Sá. 2005-2008
17. Antônio Diomário Gomes de Sá. 2009-2012
18. Ana Verena Rios Colonnezi. 2013-2013
19. Ademildo Sampaio Almeida. 2013-2016
20. Anibal Ramos Aragão. 20/04 a 09/08/2016
21 – Juracy Oliveira Júnior. 10/08/a 31/12/2016
22 – Marcelo Antônio Santos Brandão. 2017/2020
23 – Edvonilson dos Santos Silva “Dudy” 2021/2024

Caboronga Notícias com imagens do arquivo

recentes