Choveu em Ipirá, para alívio da Zona Rural e da Prefeitura Municipal, que não têm que se preocuparem com carro-pipa. Oh, alívio!

Muita chuva na horta da macacada, que vai ter safra de candidatos em 2020. Pelas bandas da jacuzada, está chovendo raios, coriscos e pragas em cima da cabeça do prefeito Marcelo Brandão, o homem está inventando a roda quadrada em Ipirá, está vendendo, alugando, dando, ninguém sabe ao certo, a Praça do Mercado, dizendo ele que é privatizando, para o dono cobrar estacionamento. Vê se pode uma bagaceira dessa!

Mas como o assunto dessa postagem é para falar de chuva, depois voltaremos à praça. Ai fica a macacada tomando banho na chuva, achando que vai ser ‘sopa no mel’, por isso, é que em 2020 vai sangrar candidato.

Dudy já se apresenta como tal ou com tal disposição, já está nadando em alto mar. É o nome da vez! Pensando bem, foi o grande balão de ensaio nas duas últimas eleições municipais, depois, esvaziou e perdeu altura. Agora, nada a braçadas largas, pensando ele, que é mar de calmaria, poderá estar cansado na virada do ano de 2020 e virar um folclórico: “nada, nada e morre na praia.”

Aníbal comeu carne de pescoço na última eleição, segurou o trampo e comeu o “pão que o diabo amassou.” Como 2020 promete ser ano de filé mignon; mesmo antes de entrar na onda, já tomou um canto de carroceria que está prá lá de Bagdá, só não enxerga quem não quer ver. Se em política houvesse consideração, seria o candidato natural, mas como vão colocá-lo na parede, ou melhor, no paredão com uma pequena questão: “você tem um milhão para gastar na campanha?” Não! Tá fora! Engraçado, na eleição passada não jogaram esse jogo.

Diomário é o mais sério concorrente. Diz que não quer, querendo. Diz que não tem interesse, tendo. Diz que não tem mais saúde, e anda todo dia da Praia do Forte ao Bonfim. Vocês acham que é só para pagar promessa? É o grande líder sem voto da macacada, porque pensa mais do que todo o restante junto. Não será surpresa, na virada do ano novo, lá em 2020, tá toda macacada, clamando um “volta Dió” e o distinto, com aquela cara de Mané da Arueira arrependido dizer: “eu não queria de jeito nenhum, mas desde quando, vocês estão querendo; eu aceito.”

Jurandy; é aí que mora o perigo. Parece remédio com validade vencida, mas tratando-se de eleição, apresenta-se como a salvação para qualquer doença. Sem chance, é carta fora do baralho. Quando todos pensam que ele se afogou, eis que surge o corpo ainda com vida, apresentando o nome de Nina e fazendo um redemoinho nas águas tranqüilas da macacada.

Antônio, o eterno líder, já foi como candidato. Não é bobo, sabe que tem muito mais vantagem sendo ‘bombeiro salva vidas’ na praia, do que como prefeito de Ipirá. Sabe que o custo-benefício está nas alturas; dando preferência, ninguém é menino, ao benefício sem custo. Isso não é campeonato de amador, é jogo de profissional.

PT é a estrela da esperança, que se derreteu na maionese. Taí uma coisa que eu não acredito: “PT na cabeça.” É mais fácil dá um sagui da mata da Caboronga, do que o PT de Ipirá receber uma candidatura de prefeito da macacada. Até a vice tá comprometida e difícil, porque na vice da macacada tem uma faixa: “Prêmio de Consolação” para ser entregue a Aníbal ou ao Renova, em último caso, ao PT.

Renova, oh coitado! Caiu no conto do vigário! Escorregou numa casca de banana e se enforcou num pé de melancia. Eu pago pra vê Dudy garantir a vice ao Renova! Nem a pau! Eles trituraram, desintegraram e acabaram com o Renova. Uma lástima.

O ano de 2020 será fatal para os candidatos à vereança (próximo assunto). Que venha vinte vinte (20 20) (20 – 20) (20 + 20) e Ipirá amarrado no século 20 graça aos arroubos e aos mal feitos do jacu e macaco. Pense em duas parangas!

Por Agildo Barreto