Como é que o Poder Municipal vai tirar Ipirá do prego? Rezando para chover; jogando búzios prá vê se a sorte está na próxima esquina; gastando dinheiro na Loto Mania prá vê se tira uma bolada e aumenta a renda do município.

Acertou quem disse que é fazendo festa. A projeção para três dias de Micareta em Ipirá, nos dias 20, 21, 22 de abril, é das mais promissoras; vem gente de todo o mundo, de Itapipoca, de Arapiraca, de Brasília, (não duvide não!) são os inúmeros fãs-clube de Bell, que já estão mobilizados e acompanham o cantor em todas as paradas e onde ele estiver (ah! Se Bell soubesse disso, ia matar a pau!)

Virão a Ipirá mais de dez mil pessoas e deixarão mais de dez milhões de reais. Ipirá vai se encantar com esse dinheiro novo na praça. Isso na planilha é de uma perfeição de encher os olhos.

Começando por ACM Neto, prefeito de Salvador, que declarou, semana passada, que a prefeitura de Salvador vai quebrar se não tiver aumento no IPTU. Aí, quem fica degringolado sou eu! Salvador não tem um dos maiores carnavais do mundo? Não resta dúvida. O prefeito ACM Neto não aumentou para quinze dias de folia? O prefeito Neto não pleiteia trinta dias de fuzarca? Sim, é verdade. Se essa gente colocar 365 dias de carnaval em Salvador e o IPTU não for deletado e custipiado da capital, não tem porque eu acreditar que grandes eventos solucionam a questão da quebradeira e do requebra do povão.

Quem se apropria de fato e virtualmente do circuito são os grandes empresários de bebidas e da comunicação; quem estica o arame no varal são os empresários de bloco e camarote. O treco tem o engate do trio que é eletrizante: empresariado, mídia, poder público (municipal e estadual). Essa lambisgoíce de Salvador é uma empreitada da fazer gaitada no Capeta.

Quem dá sustentação e garante os sacos de boca larga, pendurados, aparando chuvas de confetes cifronados ou de bufunfa confetinada são os poderes públicos. A prefeitura não tem caroço de mangalô para bancar esse manguezal sozinha. O governador disparou que o interior tem que voltar a realizar carnaval, porque Salvador não suporta uma festa para cinco milhões de pessoas. Observem que a bola bateu na trave, mais de um milhão de turistas e movimento de bilhões de capim.

A esbórnia em Salvador não tem preocupação com a seca. A micareta de Feira de Santana seleciona suas atrações, ano sim, ano não, porque não quer, não pode e não tem condições de virar um mega e magnífico evento. É um cuscuz com farofa bancado pelo folião, com o poder público se esguelando pelas beiradas. Quem entra de cabeça nesse samba vira pandeiro. A seca para Feira de Santana tem um sacolejo pequeno, não quebra na quebradeira.

Aí, chegamos a Ipirá; o prefeito novo, dessa vez da jacuzada, trocou o São João pela Micareta, ou faz um ou faz o outro, preferiu apostar as fichas na micareta, dizendo ele, que é cobrança dos 17 mil votos que recebeu, tudo bem, o playboy não vai botar no próprio cangote o peso da responsa, segura tua onda 17 mil. Numa seca braba, botá fricote na avenida é fazer cócegas para o Capeta abrir os dentes e bater uma self.

Mas choveu chuva de chuvisco grosso estes dias em Ipirá, a terra estorricada se abriu em poças d’água e dá passagem ao desejo do prefeito Marcelo Brandão, que não jogará peso no São João, a Festa do Interior, quando a capital, tradicionalmente, verdadeiramente esvazia e o interior fervilha.

Se Ipirá fizer fogueira com a prata da casa e o forró do bode; não duvide não viu, esse menino! Adentrará a esse arraiá mais de mil pessoas da capitá; a Praça do Mercado ficará apertada com o calor dos rojões de dez mil pessoas e as cobrinhas deixarão um rastro de um milhão de reais na economia de Ipirá. O que seria de bom tamanho, porque difícil, difícil mesmo, será transformar Ipirá num cupinzeiro de turistas. A seca; a seca de tudo não deixa. Esse é o bom combate ou melhor debate; Ipirá precisa disso. Ipirá precisará declarar Estado de Emergência ou Situação de Calamidade logo após a Micareta. Que as trovoadas ou as ressacas não deixem.

Postado por Agildo Barreto – O texto necessariamente não representa a opinião do Caboronga Notícias