Um relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) reconheceu que o Brasil tem melhorado, ao longo dos anos, índices como o da mortalidade, do trabalho infantil, além da exclusão escolar.  Os dados foram divulgados em um relatório que celebra os 30 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança.

O relatório apontou que entre 1990 e 2017 o país apresentou uma “redução histórica” no total de mortes de crianças menores de um ano de idade. No período, a taxa nacional caiu de 47,1 para 13,4 a cada mil nascidos vivos. Além disso, entre 1996 e 2017, 827 mil vidas foram salvas, conforme reportagem da Agência Brasil.

Ainda de acordo com o veículo, a Unicef apontou que a queda nos índices de cobertura vacina tem sido porta de entrada para doenças que eram, até recentemente, consideradas erradicadas, como o sarampo. “Em 2016, a mortalidade infantil subiu pela primeira vez em mais de 20 anos e ainda não voltou aos patamares de 2015, acendendo um sinal de alerta. No total, 42 mil crianças menores de 5 anos ainda morrem por ano no Brasil”, informa o fundo da ONU no relatório.

À EBC, a representante do Unicef no Brasil, Florence Bauer, afirmou que o país deve consolidar os avanços já conquistados até agora, voltando a atenção para a primeira infância e a adolescência. “Os indicadores, em sua maioria, são piores no Nordeste e no Norte do país. E piores entre as populações indígena, parda e negra”, disse.

Bahia Notícias/Foto: Reprodução/PMVC