Neste domingo (14), faz três anos desde que a vereadora Marielle Franco (Psol-RJ) e seu motorista, Anderson Gomes, foram assassinados no Rio de Janeiro. Em 1.096 dias de investigações, os mandantes do atentado ainda não são conhecidos e diversas perguntas permanecem sem resposta.

O policial reformado Ronnie Lessa e o ex-policial militar Élcio de Queiroz foram denunciados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) como os executores que atuaram no dia 14 de março de 2018, no bairro do Estácio, na região central do Rio. Eles estão presos e vão a júri-popular, que ainda não tem data marcada.

Enquanto isso, até hoje não foi descoberto onde está a arma utilizada para matar Marielle e Anderson. Policiais da Delegacia de Homicídios e o Ministério Público procuram uma submetralhadora MP-5 com munição UZZ-18, apontada pela perícia. As informações são do Metro 1.

COMPARTILHE
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •