Movimento “#ficarejane” lota plenário da Câmara de Vereadores em Baixa Grande

Dezenas de professores portando adesivos #ficarejane lotaram o plenário da Câmara de Vereadores de Baixa Grande na sessão desta sexta-feira (04). Eles iniciaram uma campanha nas redes sociais, abaixo assinadas e palestras, pela permanência da professora Rejane Miranda na Secretaria de Educação.

No último dia 25 de abril o Tribunal de Contas dos Municípios – TCM notificou o gestor municipal para exonerar alguns cargos de confiança, alegando nepotismo, por se tratarem de parentes. O gestor alega que as nomeações basearam-se na súmula 13 do Supremo Tribunal Federal – STF o que não se constitui nepotismo.

Dois dos educadores usaram a tribuna livre da Câmara e explanaram suas justificativas e o porquê de não abrirem mão de Rejane frente a Secretaria de Educação. A professora Janete Oliveira disse que sua voz em apelo ao #ficarejane é devido à professora possuir muitas qualificações técnicas que justificquem sua nomeação.

Para o professor Roque da Mota, é um prazer abraçar essa causa, uma vez que a Educação de Baixa Grande teve grandes avanços a partir da nomeação de Rejane. “Não estamos defendendo a permanência de Rejane e sim o melhor para nossa educação, Rejane tem contribuído de maneira digna, e deve continuar fazendo isso para o bem da nossa Educação”.

O OUTRO LADO

Se opondo as ações do movimento, o vereador Humberto Suzart chamou de palco político. Ele disse que o trabalho dos vereadores de oposição é legislar e fiscalizar. É uma imoralidade o prefeito nomear uma equipe de parentes. “Será que o município não tem outros profissionais que possam contribuir com atual administração?”. Questionou Humberto.

Do Bacia do Jacuípe