Os quase oito anos na Secretaria de Comunicação do Estado da Bahia não foram suficientes para Robinson Almeida aprender a apurar a veracidade de uma notícia. Após as eleições de 2016 e reforma administrativa do executivo estadual, Robinson assumiu uma vaga na Câmara Federal, pois ficou na terceira suplência de deputado federal com menos de 65 mil votos.

Novato no Congresso, o parlamentar ainda não aprendeu os ritos do Supremo Tribunal Federal (STF) e sequer soube interpretar o pedido de explicação à Câmara Federal sobre a tramitação projeto que regulamenta os contratos de terceirização, feito pelo ministro do STF, Celso de Mello, realizado nesta terça-feira (29). Diferente do post equivocado do deputado federal, a ação não tem poder de vetar o PL e muito menos impede o presidente golpista Michel Temer de sancionar o projeto.

Primeiro, o pedido não tem data definida para resposta da Câmara Federal. Além disso, “o despacho do ministro do STF indica apenas que o ministro apreciará o pedido liminar e que não agiu como em muitos casos, em que a liminar é indeferida prontamente, ou sequer é analisada a tempo”, conforme explicou o senador Randolfe Rodrigues (Rede/AP).

Fonte: Badogada.com.br/Foto: Reprodução/Facebook