sexta-feira, fevereiro 23, 2024

Organizações humanitárias consideram G7 “um fracasso para o sul global”

“OG7 falhou ao sul global em Hiroxima. Não conseguiram perdoar as dívidas e não conseguiram ver o que é realmente necessário para acabar com a fome crescente no mundo”, disse o porta-voz da organização humanitária Oxfam International, Max Lawson.

“Podem gastar milhões em guerras, mas não podem dar nem metade do que a ONU precisa para as crises humanitárias mais graves”, acrescentou.

O comunicado do G7 prevê afetar 21 milhões de dólares ao “combate às crises humanitárias que mais se agravaram em 2023 e onde se incluí a urgente crise alimentar”, muito aquém do valor proposto pela ONU de 55 milhões de dólares.

Várias organizações denunciaram a redução dos fundos de ajuda humanitária para esta região, motivada não só pelo o auxílio à Ucrânia e aos seus refugiados, mas também pelo aumento das despesas com armamento.

Friederike Roeder, da organização Global Citizen, afirmou que o comunicado final do G7 está “fora do caminho” porque “não cumpre o objetivo que é realmente necessário: a ação”.

Roeder criticou a falta de medidas concretas e a falha no compromisso de disponibilizar 100 milhões de dólares por ano para a proteção do clima.

“O papel da Alemanha neste anúncio é particularmente dececionante. O desempenho da União Europeia na diplomacia internacional é crucial, mas será impossível se a Alemanha, o maior país, continuar a concentrar o seu poder de negociação em novos investimentos no gás, em vez de liderar o caminho para um futuro livre de combustíveis fósseis”, argumentou.

Notícias ao Minuto

recentes