Os Estados Unidos estão engajados em uma diplomacia paciente para persuadir a Coreia do Norte a desistir de suas armas nucleares, mas não vão deixar que o processo “prolongue sem fim”, disse o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, nesta quarta-feira (25).

Falando no Comitê de Relações Exteriores do Senado dos EUA sobre sua visita à Coreia do Norte do dia 5 ao dia 7 de julho, Pompeo disse que o presidente Donald Trump continua otimista em relação à desnuclearização da Coreia do Norte e de que esse processo estava acontecendo.

Ele reiterou, porém, que o ditador norte-coreano, Kim Jong-un, ainda precisa cumprir com os compromissos assumidos na reunião com Trump em 12 de junho.

As dúvidas têm aumentado desde a reunião entre Trump e o ditador norte-coreano sobre a disposição da Coreia do Norte de desistir de seu programa de armas nucleares. Kim se comprometeu em uma declaração na cúpula a trabalhar na desnuclearização, mas Pyongyang não ofereceu detalhes sobre como agirá.

Antes do depoimento no Senado dos EUA, Pompeo divulgou comunicado em que os EUA reiteraram nesta quarta-feira (25) seu repúdio à anexação da península ucraniana da Crimeia pela Rússia.

No começo de 2014, tropas russas se apoderaram da Crimeia. Foi convocado um referendo e em 18 de março do mesmo ano a Rússia a anexou formalmente ao seu território. A Ucrânia e grande parte da comunidade internacional condenaram a medida como uma violação do direito internacional.

Pompeo pediu à Rússia que “ponha fim à sua ocupação da Crimeia” e disse que Moscou tentou “minar um princípio internacional fundamental” compartilhado pelos Estados democráticos, de que nenhum país pode alterar as fronteiras de outro à força.

Com informações da Folhapress.