Um vereador da cidade de Barra, a 650 km de Salvador, no Vale do São Francisco foi assassinado a tiros no dia 2 de setembro, enquanto participava de uma passeata política. De acordo com a informações da polícia, publicadas à época, no Blog Mirangaba Informa, José Claudio Carvalho Borges, de 46 anos, conhecido por ‘Cacau da Oficina’ (PSDB), foi surpreendido por um atirador que estava no meio do povo. Na ação criminosa um homem identificado como “Paulo Gari” também morreu.

O delegado Roberto Leal, da 14ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin), com sede em Irecê, informou, nesta quinta-feira (15), que a Polícia Civil já definiu a linha de investigação da morte do vereador José Carlos Carvalho Borges, o Cacau.

Para o coordenador regional, o crime pode ter ligação com a morte do traficante Lucas de Oliveira Souza, o Luquinha, morto a tiros, em agosto, no Terminal Rodoviário da cidade de Barreiras. Dois dias antes de ser morto, Cacau foi interrogado pela polícia sobre um carro roubado, apreendido em uma oficina de sua propriedade, apontando Luquinha como a pessoa de quem adquiriu o veículo.

As investigações conduzidas pela 14ª Coorpin/Irecê apontaram que Luquinha integrava uma quadrilha envolvida com tráfico de drogas e assaltos, em Barreiras, e seus executores podem ser os mesmos que assassinaram Cacau. O vereador também já tinha passagem pela polícia do estado de São Paulo, por crime de receptação.

De acordo com o delegado Roberto Leal, os crimes têm características semelhantes. “Os atiradores que mataram o vereador não se preocuparam em esconder a identidade, o que indica que vieram de outra cidade e, além disso, nas duas ações criminosas outras pessoas acabaram atingidas pelos tiros disparados aleatoriamente pelos bandidos”, explicou o delegado, salientando que com a identificação dos assassinos de Luquinha a elucidação da morte do vereador será questão de tempo.

Por Redação Bocão News | Fotos: Reprodução / Blog Mirangaba Informa