População reclama da ação de atravessadores na feira livre de Ipirá

A população de Ipirá, distante 202 km, tem reclamado constantemente da ação de atravessadores que agem sem qualquer tipo de fiscalização na feira livre do município, que acontece às quartas-feiras no Centro de Abastecimento.

Segundo eles, estas pessoas chegam de ônibus e fecham os principais acessos do Centro de Abastecimento à espera dos carros que chegam da zona rural, onde eles abordam os veículos e compram todo estoque de galinha caipira e ovos, deixando os consumidores do município desabastecidos. Muitos deles compram o produto e revendem ao povo de Ipirá pro preços maiores dos que geralmente são praticados na feira livre.

Em meados dos anos 90, o então Promotor de Justiça da Comarca de Ipirá, Dr. Antônio Sérgio dos Anjos Mendes, baixou uma portaria, onde determinava que nenhum comprador destes produtos, no atacado, pudesse adquirir estes produtos antes das 10h da manhã, para que o consumidor local pudesse comprar, ovos e galinha caipira com preços de mercado e não os praticados por atravessadores.

A fiscalização foi para a feira livre e impediu essa prática abusiva. Muitos que desobedeceram tiveram a mercadoria apreendida e distribuída para instituições filantrópicas do município.

Com o passar dos anos a ação dos atravessadores voltou com força total e os consumidores de Ipirá sentem na pele a pratica abusiva desenvolvida por comerciantes vindos de Feira de Santana.

O prefeito Marcelo Brandão, juntamente com o Ministério Público devem se unir para combater esta prática, onde coloca a população de Ipirá fica refém dos especuladores que ditam o preço dessas mercadorias, causando o desabastecimento destes alimentos na mesa do povo ipiraense.

Caboronga Notícias com imagem ilustrativa