O prefeito, Ednaldo Ribeiro (Republicanos), de Cruz das Almas, no Recôncavo baiano a 146 km de Salvador, é acusado pela oposição de ‘nepotismo’ depois de nomear familiares e parentes como chefes de secretarias estaduais. A nomeação foi publicada no Diário Oficial do Município.

Ao todo foram quatro nomeados para cargos. Ednaldo nomeou o irmão, Edson Ribeiro, para secretário de Infraestrutura, genro Sandro Brito Borges para secretário de Saúde, o cunhado Ronivon Lemos de Carvalho para secretário de Serviços Públicos e a sobrinha Gabriela Santana de Oliveira para secretária de Administração.

Os opositores, além de acusarem o prefeito por nepotismo, defendem que o caso se encaixa como improbidade administrativa, já que de acordo com a legislação brasileira, o ato de nomear parentes viola os fundamentos da moralidade e da impessoalidade, princípios básicos da Constituição Federal e da administração pública.

Em nota, a Prefeitura afirmou que o fato não se encaixa como caso de nepotismo. ”As afirmações lançadas em relação ao suposto nepotismo existente na Prefeitura não procedem (…) todos os atos praticados pela atual gestão são sempre pautados na legalidade e nos precedentes do STF, que tem se posicionado no sentido de que a cargos políticos, como é o caso de secretários Municipais, não se aplica a regra de nepotismo”, diz o texto.

Cruz das Almas

A cidade de 63,5 mil habitantes fica às margens da BR 116, no Recôncavo a 165 km de Salvador, teve em 2019 arrecadação de R$ 118.721.874,57 sendo apenas R$ 15.530.525,46, ou 13,08 por cento. O salário do prefeito é R$ 23.800,00 e um secretário ganha por mês R$ 8.500,00. Com 12 secretárias, o gasto mensal é de R$ 102 mil R$ 1,326 milhão por ano.

Fonte: Varela Notícias