O empresário Clínio Bastos, presidente da Associação Brasileira de Camarotes, falou sobre o Carnaval durante entrevista ao apresentador José Eduardo, na Rádio Metrópole, na manhã desta segunda-feira (13).

Ele reconhece que o final do ano passado foi muito complicado para o entretenimento, mas que houve uma melhora significativa esse ano: “tivemos um bom aquecimento no início deste ano. Temos expectativa de um Carnaval com melhor resultado”.

Questionado sobre o peso das taxas cobradas pela prefeitura e governo, Clínio ponderou: “a maior preocupação com as taxas não é pelo que pode impactar nos grandes produtos, pois eles têm gordura pra queimar, mas os pequenos negócios e que estão começando, que têm a dificuldade é maior”.

Clínio Bastos apontou que há a “necessidade de rediscutir o modelo desse negócio” e reiterou que a falta de turistas e de público nas ruas afeta também os camarotes: “quando tem enfraquecimento da rua, você enfraquece seu mirante e tem necessidade de ampliar conteúdo interno pra suprir falta do conteúdo na rua. Claro que isso nos preocupa, pois a rua é nossa base, nossa essência, e foi daí que surgiu o camarote”.

O presidente da Associação Brasileira de Camarotes foi enfático ao afirmar que para manter um camarote é necessário ter equilíbrio entre patrocínio e venda, e disse que essa é uma equação que nem sempre o empresário consegue resolver. Por fim, Clínio usou exemplos como os ensaios do Harmonia do Samba, Léo Santana, Timbalada e Brown, sempre lotados, para afirmar que o Carnaval pode, sim, ser de sucesso.

Por Redação Bocão News