Termina, neste sábado (30), a segunda etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa. A meta da campanha é imunizar mais de 100 milhões de bovinos e bubalinos.

Por causa de condições climáticas, como o excesso de chuva e das queimadas, que ocorreram em algumas regiões do país, haverá prorrogação de 15 dias para que os produtores realizem a vacinação nos estados do Espírito Santo, Maranhão e alguns municípios de Mato Grosso do Sul (Aquidauana, Corumbá, Ladário, Miranda e Porto Murtinho).

Os produtores de Paraná e Santa Catarina não precisam vacinar os animais, mas devem atualizar o cadastro dos rebanhos (nascimentos, mortes e evolução de rebanho) eletronicamente ou pessoalmente junto às unidades veterinárias locais dos  Estados.

“A etapa está transcorrendo dentro das expectativas. Estamos monitorando os dados e devemos, mais uma vez, ter um índice de cobertura vacinal acima de 98%”, diz a auditora fiscal federal agropecuária da Divisão de Febre Aftosa, Alba Said.

A aplicação da vacina, a nota fiscal de compra e a declaração de vacinação são necessárias para a comercialização de produtos como carne e leite e para a emissão da Guia de Trânsito Animal (GTA), documento que autoriza o produtor a circular com seus animais. A declaração de vacinação e a nota de compra do produto devem ser entregues no Serviço Veterinário Oficial do Estado.

Atualização

O Programa Nacional de Erradicação e Prevenção de Febre Aftosa (Pnefa) está em processo de atualização de suas diretrizes, e irá ficar em consulta pública até 16 de janeiro de 2020, para receber propostas de todos os envolvidos com o programa (produtores, transportadores, empresas, instituições públicas e privadas).

Fonte: gov.br – Foto: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento