A situação precária de parte das estradas baianas vem causando incomodo e prejuízos a muitos motoristas que trafegam diariamente por essas vias esburacadas. Aliás, tem sido uma das principais queixas da população e dos correligionários do governador Rui Costa, em pouco mais de dois anos de um destacado mandato, por conta da responsabilidade fiscal (pagando em dia os servidores, enquanto outros estados parcelam), e realizando importantes obras como o Hospital da Mulher e o HGE2, e por cumprir metas em pouco tempo, como a reestruturação de unidades policiais, da construção dos novos perímetros de irrigação, a implantação de policlínicas e de consórcios de saúde.

Para melhorar o cenário da quarta maior malha rodoviária pavimentada do país, Rui viabilizou empréstimo junto ao Banco Mundial em meados do ano passado. Algumas já foram totalmente recuperadas, como a BA 120 Coité/Riachão do Jacuípe, outras estão em andamento.

Rui revelou durante o programa de rádio ‘Diga aí, Governador!’ desta semana, que em 2017 o investimento será ampliado: “Nós fizemos alguns investimentos importantíssimos nestes dois anos. Mas o volume este ano vai ser maior. Nós conseguimos o empréstimo que queríamos e vamos licitar mais de 700 quilômetros de estradas”, garantiu.

Em audiência com o deputado Alex da Piatã, na última terça-feira, 31, o secretário de Infraestrutura Marcus Cavalcanti, garantiu que ainda nesse primeiro semestre mais de 720 km de estradas serão recuperados. Destes, 190 km são do Território do Sisal. ”Até março, vamos licitar a recuperação das estradas Coité/Serrinha, Santaluz/Queimadas, Quijingue/BR-116, Cansanção/Itúba/Filadélfia, Aramari/Ouriçangas. A estimativa é que nesse primeiro semestre, 724 km de rodovia serão licitados em todo estado, fora as obras do Banco Mundial”, afirmou o secretário em contato com a redação CN.

“Esse é o maior programa de rodovia que a Bahia já viu. Serão investidos mais de R$ 360 milhões só nesse primeiro semestre”, concluiu Cavalcanti.

Redação CN – Foto? Raimundo Mascarenhas