Sem PT e PSOL, atos pelo Brasil pedem impeachment de Bolsonaro

Grupos de oposição promoveram neste domingo, 12/9, uma onda de manifestações em defesa do impeachment do presidente Jair Bolsonaro, mas sem a participação de militantes de PT e PSOL.

Os atos foram convocados pelo MBL (Movimento Brasil Livre) e pelo VPR (Vem Pra Rua), que já haviam liderado os protestos pelo impeachment de Dilma Rousseff em 2015 e 2016. Por conta disso e do antigo apoio desses grupos a Bolsonaro, petistas preferiram não sair às ruas neste domingo.

“Chega de Bolsonaro, PT e Lula”, disse o vereador Fernando Holiday (Novo-SP), ex-MBL, durante a manifestação na Avenida Paulista, em São Paulo. No entanto, apesar do boicote petista, os protestos tiveram a presença de militantes do PDT, partido de Ciro Gomes, do PCdoB e da UNE (União Nacional dos Estudantes).

Ainda assim, os atos pelo impeachment de Bolsonaro reuniram visivelmente muito menos gente do que os protestos contra a democracia convocados pelo presidente em 7 de setembro.

Na ocasião, Bolsonaro atacou os ministros Alexandre de Moraes e Luis Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), e voltou a defender o voto impresso, pauta já derrubada pelo Congresso.

As manifestações do Dia da Independência reacenderam o debate sobre um possível impeachment do presidente, que acabou publicando uma carta em tom de desculpas escrita com a ajuda de seu antecessor, Michel Temer.