terça-feira, julho 16, 2024

Uso excessivo de telas impacta na saúde ocular dos jovens

Dados divulgados recentemente pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), que considerou pacientes entre 0 a 19 anos, apontam que o número de crianças e jovens diagnosticados com miopia cresceu em 70% no Brasil, nos últimos quatro anos. Segundo a pesquisa, a maior parte dos médicos oftalmologistas associa o problema ao alto tempo de exposição a aparelhos eletrônicos.
“O cuidado com a visão das crianças deve ser contínuo. Para isso, é recomendada a realização de visitas frequentes ao oftalmologista desde a primeira infância, estímulo às atividades ao ar livre, uso comedido de telas de acordo com a idade, além da detecção precoce de doenças como a miopia e o acompanhamento para a indicação de tratamentos adequados”, afirma o Dr. Francisco Irochima, médico oftalmologista e consultor da HOYA Vision Care, empresa japonesa que produz lentes para óculos de alta tecnologia desenvolvidas para correção de problemas da visão. A implantação da correção adequada e/ou das terapias, também colaboram para conter o provável avanço de um quadro já existente.
A miopia consiste no problema refracional mais comum e que necessita do uso de lentes corretivas para fazer com que o indivíduo enxergue melhor. Geralmente, surge na primeira ou na segunda infância, podendo ser progressiva em alguns casos. Os sintomas mais comuns são: dificuldade para ver de longe, apertar os olhos para ver a longas distâncias e aproximar-se dos objetos para visualizá-los.
O impacto da claridade das telas altera o tamanho do olho e, quanto maior o olho, maior é a dificuldade para enxergar. Normalmente uma pessoa pisca, em média, 20 vezes por minuto. Ao ficar vidrada na tela de um computador, celular ou tablet, esse número reduz em 40%. Por conta disso, a lágrima não se distribui, o olho não lubrifica e a visão não fica nítida.
Uma vez diagnosticada, a doença pode ser corrigida, quando necessária, por meio do uso de óculos ou de lentes de contato. O Dr. Irochima destaca a eficiência das opções não invasivas, como é o caso das lentes de óculos de alta tecnologia, que já são opções importantes para a redução da miopia infantil.
“As pessoas com a miopia axial, quando passam a fazer uso contínuo desse tipo de lente, podem ter uma média de 60% na desaceleração da progressão da miopia, pois a estrutura da lente permite simultaneamente retardar o crescimento do globo ocular e proporcionar uma visão mais clara”, destaca o especialista.
Em caso de evidência de progressão, terapias específicas podem ser utilizadas para impedir a evolução para quadros indesejáveis de alta miopia. “Além de todo o  comprometimento causado pela baixa visão com repercussão nas atividades laborais da criança, a miopia, uma vez que atinge níveis elevados, aumenta de forma significativa o risco de comprometimento severo da visão”, acrescenta Irochima.
Acorda Cidade/Foto: Gemma Moll Pixabay

recentes