Vereador denuncia que roupas do Hospital de Ipirá estão sendo lavadas a vassoura

Em pronunciamento na tribuna da Câmara Municipal de Ipirá, na sessão ordinária desta terça-feira (24), o vereador Carlinhos Simas (PP) surpreendeu a todos ao informar que roupas do Hospital Municipal estão sendo lavadas a vassoura.

O vereador disse que por questão de ética e para evitar retaliação, não informaria a fonte da informação. Ele também informou que equipamentos cirúrgicos do hospital continuam sendo levados para serem esterilizados no Hospital Municipal do distrito do Bravo em Serra Preta. Simas não informou qual o tipo de vassoura está sendo utilizada para lavar a roupa do hospital usada pelos pacientes internados.

Recentemente, uma comissão de vereadores esteve na unidade hospitalar onde constatou uma serie de irregularidades tais como: falta de lençóis, material de limpeza e alimentação inadequada para pacientes, acompanhantes e funcionários.

Aparteado pelos vereadores Suíta e André, foi sugerida a presidência da cara legislativa a criação de uma comissão e a contratação de técnicos para fazer uma vistoria no hospital e assim constatar ou não as irregularidades denunciadas.

O que se indagou também foi a compra de um aparelho de Raio X que foi entregue ao hospital em 22 de julho de 2017 e até então nunca prestou um único serviço à população.

Entrevista do secretário e da coordenadora de vigilância epidemiológica a programa de rádio

Em entrevista a um programa de rádio, o secretário Edmilson Jones confirmou que existe problema na marcação de consultas e exames pelo SUS. Questionado sobre a solução, Jones afirmou que ainda não há, e que esse “é o problema que está causando problema”. O secretário diz que alguns exames só podem ser marcados diretamente no sistema. Ele ainda fala em problema, quando se refere a uma parte da população não entender que essa dificuldade não é apenas em Ipirá. “Existe uma chave que abre e que só pode ser usada depois de liberada pelo sistema”, disse, informando também sobre o retorno da marcação manual.

Sobre previsão do SUS para regularizar a situação, o secretário diz que todos os dias o coordenador abre o sistema e consegue marcar “8 ou 10, no máximo”, logo após o sistema cai. “Eles não dão uma certeza”, afirma.

“Infelizmente não estamos marcando ainda na secretaria os serviços terceirizados (raio x, mamografia e ortopedia com Dr. José Ricardo), pois precisa da chave do sistema de regulação (SISREG) para então dar baixa e fazer o controle para prestação de contas com os prestadores e o FMS”, diz um trecho da nota, em resposta a um suposto paciente que teria procurado a secretaria por serviços do ortopedista e vice-prefeito, José Ricardo. Conforme a nota, o paciente recusou o serviço fornecido, em nome da secretaria, por outro profissional com a mesma especialidade, José Rodrigues.

Quanto a falta de informação sobre a 20ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza e questionada em matéria do site Caboronga Notícias, a coordenadora de vigilância epidemiológica, Renata Franco, explicou que em breve as vacinas estarão em todos os PSF’s, e que o procedimento será por classificações, não havendo necessidade de que todos os interessados procurem pelo atendimento de uma só vez.

Tais atitudes, só demonstram a falta de planejamento de uma Secretaria que em apenas um ano de gestão possui o terceiro secretário. Isso significa que alguma coisa está fora de ordem. No meio desse fogo cruzado, o único penalizado é o povo carente que depende do Sistema Único de Saúde – SUS para realizar procedimentos médicos de alta complexidade.

Caboronga Notícias com informações de Diogo Souza “Mídia Ipirá”