Vereador Deteval Brandão, critica tratamento da Prefeitura no caso da retirada dos materiais de unidades de Saúde

72

Vereadores que intercederam na ação de retirada dos materiais do Centro Médico e Hospital, na última quarta, 28, foram alvo da Ascom PMI: “ação inconsequente e irresponsável”. Prefeito não tratou do assunto em entrevista nessa terça, 06.

Na sessão da Câmara dessa terça, 06, o líder da oposição, Deteval Brandão, ratificou a notícia da última quarta, sobre a retirada de materiais do centro médico e do hospital. “O episódio foi verdadeiro. A empresa mandou buscar, em Ipirá, equipamentos no hospital e no centro médico. Esperamos o secretário de Saúde chegar para fazer a abordagem correta. O pessoal do caminhão baú não tinha nota fiscal, não tinha ofício, determinando que retirasse esses bens públicos do nosso município”, afirmou o vereador.

Deteval lembra que, assim como ele e os demais vereadores que acompanharam a ação, o secretário de Saúde também havia feito o pedido para que os materiais não fossem retirados. “Encaminhamos ofício à Administração pedindo que nos desse cópia de licitações, notas fiscais e empenho da empresa referida”, disse o vereador.

Depois, de acordo com Deteval, a Ascom PMI (Assessoria de Comunicação da Prefeitura), disse que os vereadores “irresponsavelmente fizeram isso”. Deteval reclamou. “A Assessoria de Comunicação precisa estar mais bem informada, procurar nas leis qual é o papel do vereador”, protestou Deteval Brandão.

A prefeitura publicou nota de esclarecimento sobre o ocorrido. Nela, diz que “a empresa L. PEIXOTO RIOS COMUNICAÇÃO EIRELI – ME (…) veio ao município para corrigir um erro ocorrido na entrega de alguns equipamentos feitos ao Hospital Municipal e Centro Médico”. Adiante, diz que “não existem pendências financeiras da parte da Prefeitura Municipal de Ipirá e que não houve erro processual e nenhum tipo de falha da administração. Ocorreu apenas um erro de logística cometido pela empresa”.

O prefeito Marcelo Brandão participou de conversa no Conexão Chapada dessa terça, 06, mas não tocou no assunto.

“Fica aqui meu repúdio à Assessoria de Comunicação. Ele (prefeito) está denegrindo a Câmara”, protestou o líder da oposição.

Emenda de R$ 1 milhão

Deteval também fez críticas à reação do prefeito a respeito da emenda de 1 milhão para recuperação da Casa dos Estudantes e Mercado de Artes. “Que ele procure juridicamente e traga o encaminhamento sobre qual foi o ato ilegal”, pediu o vereador.

Na conversa de ontem, no Conexão Chapada, o prefeito disse que vai fazer a reforma, oportunamente. Os valores, no entanto, estão distantes do que trata a emenda. De acordo com o gestor, existe “uma planilha que gira em torno de R$ 200 mil reais”, para a obra da casa. Não falou em data pra começar.

Esse assunto ganhou novas proporções, pois nessa mesma terça, 06, o veto do Executivo à emenda foi mantido pela Câmara, a mesma que outrora tinha concordado pela proposta. Para o prefeito, essa emenda tem “forma eleitoreira”.

Saúde

No início de seu pronunciamento, Deteval Brandão sugeriu que os vereadores e o prefeito analisassem as postagens nas redes sociais, da filha e da nora de Anita Bárbara, que faleceu na última quarta, 28, em Feira de Santana, após ficar 11 dias internada no hospital de Ipirá sem um diagnóstico preciso do mal que lhe causava dores abdominais. “Falou com o coração, não falou com paixão por grupo político. Falou com o coração de quem perdeu uma pessoa querida da família. Aquela mensagem merece atenção do poder público”, disse Deteval.

Em conversa no rádio nessa terça, 06, o prefeito falou em “melhora sensível” na Saúde do município. Anita Bárbara, que era uma das lideranças de grupo de jovens envolvidos em campanhas políticas, faleceu por complicações em decorrência de apendicite. Deteval deixou a cargo dos meios legais o julgamento de quem teve culpa no caso.

Por Diogo Souza