Aconteceu na manhã desta terça-feira (28/03), mais uma Sessão Ordinária na Câmara de Vereadores de Ipirá, que contou com a presença de um público significativo. Na ordem do dia, um projeto de lei de autoria do vereador Edson Carneiro de Souza “Suita”(DEM), que cria a Avenida Rio Grande do Sul, na via de acesso entre o Cemitério Jardim da Saudade e o Residencial Flores da Chapada, avenida que segundo o vereador prestará homenagem a comunidade gaúcha da Fábrica de Calçados Paquetá, responsável pela geração de emprego e renda em Ipirá.

Na tribuna da Câmara, destaque para os vereadores Deteval Brandão (PSD) e Laelson Neves (PMDB). O vereador Deteval Brandão cobrou da mesa diretora da Câmara, um contrato com a imprensa de sites do município. Segundo ele, a mídia digital se tornou a ferramenta mais importante e estes profissionais que sempre prestigiam os trabalhos do Legislativo Municipal, merecem o reconhecimento dos vereadores.

O parlamentar cobrou também do prefeito Marcelo Brandão (DEM), um decreto de situação de emergência, que segundo ele, Ipirá é o único município do Território da Bacia do Jacuípe que ainda não tem este decreto, o que segundo ele, impossibilita a chegada de mais recursos para auxiliar no combate aos danos causados pela seca. Ainda segundo Deteval, grande parte do município sofre principalmente com a falta de água.

O vereador sugeriu ao presidente da Câmara vereador Divanilson Mascarenhas (PMDB), que convoque uma Sessão Especial para que a comunidade possa debater a questão da seca e principalmente conscientizar a todos sobre um possível racionamento de água no município.

Já o vereador Laelson Neves (PMDB) fez duras críticas a determinados secretários municipais do governo Marcelo Brandão. O vereador falou que ao ser nomeado, o secretário é um servidor do povo e não o dono do cargo que ocupa. “Secretário municipal tem que tratar a população em igualdade de condições e independente de posições político partidárias. Quero aqui estabelecer uma relação de respeito que não está existindo por parte dos auxiliares do prefeito. Caso essa situação continue, eu como líder do prefeito, renunciarei a função”. Disse o vereador.

No pronunciamento, Laelson não citou quais os secretários municipais que estão maltratando e retaliando politicamente a população. Vale ressaltar que o vereador é o único parlamentar que até então já no segundo mandato, não faltou a nenhuma sessão e em todas até aqui fez uso da tribuna.

Caboronga Notícias