terça-feira, junho 25, 2024

A Bahia reúne, atualmente, mais de 50 feiras literárias apoiadas pelo Governo do Estado

A Bahia reúne, atualmente, mais de 50 feiras literárias apoiadas pelo Governo do Estado, através das secretarias estaduais da Educação (SEC) e da Cultura (Secult), por meio da Fundação Pedro Calmon. Protagonizando a cena estão os estudantes da rede pública, que têm em suas escolas as grandes incentivadoras do envolvimento deles com a cultura local e a literatura. Esta semana, por exemplo, três festivais estão acontecendo: I Feira Literária de Rio Real, II Edição da Feira Literária e Cultural de Amélia Rodrigues e a IV Feira Literária Internacional de Canudos.

O Colégio Estadual Marquês de Abrantes, no município de Rio Real, sedia a primeira edição da Feira Literária de Rio Real, que começou na quinta-feira (14) e prossegue na sexta (15). Com o tema “Leituras e reflexões sobre o Bicentenário da Independência da Bahia: um rio de livros”, o evento visa o protagonismo estudantil com o objetivo de estimular a leitura e a escrita através da valorização de escritores locais.

A estudante Kauane Pires, 17, 2° ano do Ensino Médio do Marquês de Abrantes, fala sobre a proposta da feira em seu colégio. “Para mim está sendo um sonho, pois sempre almejei participar de um evento literário, principalmente porque eu amo ler. Ler para mim é libertador, é quando eu me refugio. Todos deveriam participar, visto que, dentre os inúmeros pontos que podem ser destacados sobre a importância deste evento, estão o enriquecimento cultural, o incentivo à leitura, a sociabilização; e a presença dos artistas regionais. A minha expectativa está altíssima. Espero que muitas pessoas possam sentir o desejo de estar conosco e que tudo aconteça da melhor forma possível, porque tudo foi planejado e organizado com muito carinho, amor e dedicação”.

Já a II Edição da Feira Literária e Cultural de Amélia Rodrigues (Flicar) começa nesta sexta-feira (15), com abertura no Espaço Maria Felipa do Ginásio de Esportes Pe. Aristotelimo Dantas, com o tema “O povo baiano: narrativas de resistência e reexistência”. O evento, que se encerra no domingo (17), contará com a presença de grandes nomes da literatura e da cultura baiana e tem como objetivo homenagear o povo baiano em meio às comemorações do Bicentenário da Independência do Brasil na Bahia.

A estudante Suelem Gomes dos Santos, 16, 2º ano do Ensino Médio do Colégio Estadual em Tempo Integral Amélia Rodrigues, fala da sua emoção de estar fazendo parte da II Feira Literária e Cultural de Amélia Rodrigues. “Para mim, participar da Flicar está sendo muito importante, pois não temos o costume de ver eventos literários deste porte aqui, na minha cidade. É um momento de adquirir diferentes conhecimentos e ampliar os horizontes. Eu me sinto muito honrada pela oportunidade de participar desta feira literária no meu município”.

A quarta edição da Feira Literária Internacional de Canudos (Flican), por sua vez, teve início na quarta-feira (13) e prossegue até sábado (16), trazendo uma programação focada no repertório histórico e literário dos sertões. Esta edição, que conta com a participação do escritor Antônio Tôrres, tem como tema central “Literatura e resistência”, tendo como destaques os 130 anos da fundação do povoado de Belo Monte, por Antônio Conselheiro, e o Bicentenário da Independência do Brasil na Bahia. Realizada pela Universidade do Estado da Bahia (Uneb), a Flican reúne atividades voltadas à formação de leitores através de oficinas pedagógicas para estudantes da rede pública, universitários e profissionais da Educação; apresentações artístico-culturais; e eventos de difusão da produção literária e de fortalecimento da cadeia produtiva do livro.

Fonte: Ascom/SEC – Foto: Rafael Martins GOVBA

recentes