sexta-feira, fevereiro 23, 2024

A menos de 500 dias dos Jogos de Paris-2024, presidente do Comitê Olímpico da França renuncia

A presidente do Comitê Olímpico da França, Brigitte Henriques renunciou ao cargo nesta quinta-feira, a menos de 500 dias do início dos Jogos de Paris-2024. A saída da primeira mulher a comandar os esportes olímpicos do país é mais uma mudança no comando de entidades esportivas na França na reta final da preparação para o grande evento do próximo ano, a ser realizado entre 26 de julho e 11 de agosto.

Ex-jogadora da seleção francesa de futebol, Henriques anunciou sua despedida no início de uma assembleia geral do comitê, que não revelou as causas da saída. Mas, segundo a imprensa francesa, ela teria apresentado suas razões durante a reunião. A dirigente exercia esta função desde junho de 2021.

Ela será substituída temporariamente pela atual secretária-geral do comitê, Astrid Guyart. Tanto Henriques quanto Guyart têm assento no Comitê Organizador dos Jogos de Paris-2024, mas não são responsáveis diretas pela gestão da entidade. Ambas estão sob o comando do presidente do Comitê Organizador, Tony Estanguet.

A decisão inesperada pode ter relação com as dificuldades que a então presidente vinha tendo na gestão do Comitê Olímpico. Henriques havia solicitado ao Comitê Olímpico Internacional (COI) uma auditoria interna da entidade que presidia devido a divergências com Didier Seminet, secretário-geral na gestão anterior.

Ela ficou dois meses afastada do cargo por licença medica, alegando ter sofrido violência psicológica de Seminet, que negou as acusações e disse ter aberto processo contra Henriques. A agora ex-presidente do Comitê Olímpico também entrou em atrito com seu antecessor, Denis Masseglia, e o advogado Arash Derambarsh, a quem acusou iniciar uma campanha para desestabilizá-la no cargo.

A renúncia de Henriques não é a primeira em entidades esportivas nos últimos meses. No futebol, Noël Le Graët deixou o cargo de presidente da federação após acusações de machismo e má gestão. Bernard Laporte se afastou da presidência da federação de rúgbi e Claude Atcher foi demitido do cargo de CEO da Rugby World Cup, a ser disputada em solo francês em setembro.

Estadão Conteúdo

recentes